Pular para o conteúdo principal

A Toxicologia no Incêndio em Santa Maria (RS)


Mais um incêndio no país e, desta vez, com um número assustador de vítimas. O incidente ocorreu há, exatamente, uma semana na boate Kiss, na Cidade de Santa Maria (RS). Na noite do último sábado, 02/02, o número de mortos decorrente do incêndio subiu para 237. Encontram-se ainda hospitalizados 113 feridos, dos quais, segundo boletim oficial, 73 estão em estado grave e internados em unidades de terapia intensiva.

O fato traz à tona, em todo o país, a discussão sobre a segurança em locais de eventos, como as boates. Analisando-se a questão sob o ponto de vista toxicológico, outras questões devem ser observadas: os profissionais de saúde que atuam em emergências tem conhecimento em Toxicologia para identificar e tratar adequadamente vítimas de intoxicação? Dispõe o país de antídotos para tratar vítimas de grandes incidentes químicos?

Não podemos esquecer que os incêndios apresentam, também, a sua relevância do ponto de vista toxicológico. Não só para a população em geral e para os profissionais de saúde, mas também para os profissionais que combatem o fogo.

O farmacêutico-bioquímico Jucelino Nery, coordenador de apoio diagnóstico e terapêutico do Centro de Informações Antiveneno da Bahia – Ciave, ressalta que para o manejo adequado de um paciente intoxicado, é importante consultar os Centros de Informação e Assistência Toxicológica (CIATs), como o Ciave, os quais são serviços são especializados em reconhecer e orientar o tratamento das intoxicações, baseado nas evidências disponíveis, evitando o emprego de tratamentos inefetivos, contraindicados ou tardios.

“A fumaça é uma mistura complexa constituída de ar quente, partículas sólidas e líquidas em suspensão, além de gases tóxicos, o que a torna extremamente perigosa”, complementa o farmacêutico. Enfatiza, ainda, que estes gases tóxicos liberados em incêndio dependem, em grande parte, do tipo de material que é queimado. Dependendo da sua concentração, a morte poderá ocorrer por asfixia simples e/ou por asfixia química (intoxicação).

Mesmo as pessoas que escapam com vida de um incêndio ainda sofrem riscos após o incidente, em virtude da ação dos produtos da combustão do tipo física (calor), químicas (intoxicação) e mecânica (pneumonite por aspiração de partículas sólidas e líquidas).


As substâncias tóxicas liberadas nos ambientes incendiados podem ter origem em produtos secundários formados logo após os produtos da queima terem sido gerados. Essas substâncias permanecem ativas quimicamente, mesmo depois das chamas terem sido apagadas e por um longo tempo que só depende das condições locais de ventilação, seja ela natural ou artificial. Elas podem agir sobre o sistema respiratório através de três diferentes mecanismos:

- irritação: por lesão dos tecidos decorrente de alterações do pH, por efeitos tóxicos específicos ou por reações químicas inespecíficas. É o caso do ácido clorídrico (cloreto de hidrogênio, HCl), óxido nítrico (monóxido de nitrogênio, NO), metanol, dióxido de nitrogênio (NO2), amônia (nitreto de hidrogênio, NH3), sulfeto de hidrogênio(H2S), dióxido de enxofre (SO2) e ácido cianídrico (cianeto de hidrogênio, HCN). A irritação provoca uma inflamação nas membranas das mucosas das vias aéreas e dos olhos;
- asfixia: através do deslocamento do oxigênio (asfixia física) por outras substâncias ou pela ação sobre o metabolismo celular através do monóxido de carbono (CO), H2S e HCN, entre outros, levando a uma intoxicação (asfixia química);
- queimadura – decorrente do efeito térmico proveniente das altas temperaturas dos gases, vapores, fumos, gotículas e material particulado em suspensão no ar.

“No caso específico de Santa Maria, além da liberação de monóxido de carbono (CO), houve a produção de gás cianeto, altamente tóxico, resultante da combustão da espuma de poliuretano usada no isolamento acústico do teto da boate e que, possivelmente, foi o responsável pela morte de grande parte das vítimas do incêndio”, afirmou Jucelino.

O cianeto de hidrogênio é liberado da combustão de materiais ricos em nitrogênio como o poliuretano, nylon, certos plásticos e resinas, lã e seda. Apresenta alta mobilidade e capacidade de penetração em substâncias ou materiais porosos, como paredes e muros, por possuir baixo peso molecular. Os efeitos da intoxicação do HCN nas fases iniciais se distinguem do CO, embora apresentem similaridade nos efeitos finais. Enquanto o processo inicial de intoxicação do CO tende a ser lenta, a intoxicação por HCN é rápida e severa.

A inalação do gás cianeto produz sintomas que surgem muito rapidamente e a sua severidade está diretamente relacionada com a sua concentração no ambiente. Quando absorvido, liga-se à enzima citocromo-oxidase inibindo a fosforilação oxidativa, metabolismo aeróbico e respiração celular. As vítimas expostas ao cianeto podem desenvolver tontura, confusão mental, ansiedade, respiração excessivamente acelerada (taquipnéia), taquicardia, além de outros sintoma, podendo evoluir para óbito.

Para tratamento da intoxicação cianídrica existem algumas alternativas: o edetato dicobáltico (Kelocyanor®), o 4-dimetilaminofenol (4-DMAP), o kit anti-cianeto (formado pelas soluções nitrito de amila, nitrito de sódio e tiossulfato de sódio) e a hidroxicobalamina.

Os Estados Unidos doou 140 kits do medicamento injetável hidroxicobalamina, que chegaram no último sábado, para o tratamento das vítimas sobreviventes do incêndio na boate Kiss (RS) e que seriam distribuídos entre os hospitais de Porto Alegre e Santa Maria. Entretanto, vale lembrar que o efeito do cianeto é muito rápido e o tratamento específico deve ser o mais precoce possível. Assim, em função do tempo decorrido, a antidototerapia não mais estaria indicada.

Segundo Jucelino Nery, há uma grande dificuldade na obtenção de antídotos no país decorrentes de problemas de ordem científica, econômica, administrativa e política. Só para exemplificar, dos antídotos citados, os dois primeiros não são disponibilizados no mercado nacional, o kit anti-cianeto só se consegue obter através de poucas farmácias de manipulação (nenhuma na região nordeste) e a hidroxicobalamina (vitamina B12) só era disponibilizada no mercado em uma concentração muito inferior àquela utilizada como antídoto na intoxicação por cianeto, não mais estando disponível porque o laboratório que importava o princípio ativo para a produção do medicamento parou de fazê-lo.

Fica evidente a necessidade de se implementar os bancos de antídotos existentes nos centros de assistência toxicológica, garantindo a existência de estoques contingenciados para grandes desastres. Além disso, é preciso criar uma rede nacional de distribuição de antídotos para garantir a sua obtenção, visto que muitos destes produtos só estão disponíveis no mercado internacional e, em uma eventual necessidade, não haverá tempo hábil de importá-los para poder usá-los na terapia das vítimas dentro do prazo necessária para obter a eficácia desejada.

Fonte: Ciave. Leia mais.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Intoxicação por pó-de-mico

Continua um mistério a causa do surto que ocorreu no mês de março no município de Apuarema, interior da Bahia. A história teve início no dia 21/03, na Escola Municipal Aurino Nery, quando diversos alunos da oitava série manifestaram sinais de prurido na sala de aula causando uma pequena aglomeração naquele estabelecimento de ensino. Cerca de oito alunos manifestaram esses sinais na sala, saíram para o pavilhão e entraram em contato com turmas vizinhas  que acabaram manifestando os sintomas de prurido e urticária. O evento ocorreu se repetiu alguns dias depois. Ao todo foram mais de 40 crianças acometidas. Algumas apresentaram cefaléia. O colégio foi fechado temporariamente pela secretaria municipal de educação. As aulas foram retomadas no dia primeiro de abril sem indícios de um novo incidente. Suspeita-se que alguém tenha introduzido no local alguma substância. Pensou-se na possibilidade de ter sido “pó-de-mico”. O “pó-de-mico” consiste em tricomas (semelhante a pêlos) que recobrem as…

Ciave alerta para aumento do risco de acidente escorpiônico e fake news

Na Bahia, em 2018, ocorreram 24.714 casos de acidente por animais peçonhentos, de acordo com o Sistema de Informação de Agravos de Notificação – Sinan, com 188 ocorrências em Salvador. Entre eles, o acidente escorpiônico predominou com 18.985 (76,8%), dos quais 47 se deram na capital.
No ano passado, o Centro de Informações Antiveneno – Ciave registrou o atendimento de 2.425 casos de escorpionismo. Já nessa primeira quinzena de janeiro, o Centro registrou 127 casos, 10% a mais que o mesmo período em 2018, com uma média de 9 ocorrências por dia.
Segundo Jucelino Nery, diretor do Ciave e coordenador estadual do Programa de Controle de Acidentes por Animais Peçonhentos, os acidentes escorpiônicos tiveram em 2018 um aumento de 22%, em relação ao ano anterior. Além do clima, o crescimento desordenado das áreas urbanas, a falta de saneamento básico, o desmatamento e o acúmulo de lixo, entulhos e restos de material de construção fazem com que os escorpiões procurem abrigo e alimento (insetos…

Águas vivas começam a aparecer em maior quantidade em Itajaí

Quem aproveitou a manhã de quarta-feira para caminhar pela areia da Praia da Atalaia em Itajaí teve que desviar de águas vivas. Os organismos marinhos surgiram aos montes e deixaram a areia coberta. Apesar de causarem preocupação aos banhistas, as encontradas ali não provocam as populares queimaduras, que na verdade são um tipo de envenenamento. De acordo com o Corpo de Bombeiros a espécie presente na Atalaia é a racostoma atlanticun, que não queima. Isso, porém, não significa que os banhistas devem ter contato com o animal marinho. Isso porque é difícil identificar se uma água viva é nociva ou não. Coordenador de praia da corporação e oceanógrafo, o soldado Daniel Ribeiro explica que só especialistas conseguem identificar quais espécies causam queimaduras e que algumas se assemelham muito as racostoma, mas queimam. Ribeiro explica que o surgimento das águas vivas perto da costa ocorre em função de uma série de fatores naturais. Um deles são as correntes marinhas que transportam os orga…