Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de 2018

O CIAVE mais uma vez à frente da Associação Brasileira dos Centros de Assistência Toxicológica

Mais uma vez representantes do Ciave estão à frente da Associação Brasileira de Centros de Informação e Assistência Toxicológica e Toxicologistas Clínicos (ABRACIT), sociedade civil, de âmbito nacional e sem fins lucrativos, constituída pelos Centros de Informação e Assistência Toxicológica (CIATox) ligados a instituições públicas, como o CIAVE.
O médico Daniel Rebouças, ex-diretor do CIAVE, presidiu a Associação no biênio 2013-2014, realizando em 2014 o V Congresso Brasileito de Toxicologia Clínica em Salvador. No último mês, em assembléia geral realizada em Curitiba (PR), o farmacêutico bioquímico Jucelino Nery, diretor interino do CIAVE, foi eleito para presidir a ABRACIT, no biênio 2019-2020, tendo como diretora científica a enfermeira Cintia Mesquita, também do Centro.
A Assembléia Geral, órgão máximo de deliberação da ABRACIT, é composta por um representante de cada Centro de Informação e Assistência Toxicológica e congêneres. Reune-se ordinariamente a cada dois anos para elege…

Feliz Natal e um bom Ano Novo!

Ciave realiza confraternização natalina

O Ciave realizou a confraternização natalina entre os seus servidores, estagiários, colaboradores e usuários do Núcleo de Estudos e Prevenção do Suicídio (NEPS). Em ambiente festivo, foram realizadas atividades lúdicas, com momento musical.

Tecnicos do Ciave contribuem nas discussões para revisão de manual sobre animais peçonhentos do MS

Técnicos do Centro de Informações Antiveneno (CIAVE), da Secretaria da Saúde do Estado da Bahia (SESAB), participaram do Fórum Nacional sobre Acidentes Por Animais Peçonhentos, realizado em Curitiba (PR), visando a revisão do “Manual de Diagnóstico e Tratamento de Acidentes por Animais Peçonhentos”, do Ministério da Saúde. Participaram do Evento representantes de diversos Centros de Informações e Assistência Toxicológica (CIATox) do país. A Dra Taís Galvão, da Unicamp-SP, balisou os trabalhos com a abordagem “Elaboração de Diretrizes Clínicas Baseadas em Evidências”.
Fonte: CIAVE.

Ciave participa de feira educativa

Na manhã dessa quinta-feira (08/11) o Centro Antiveneno da Bahia (Ciave) esteve presente na “Feira de Saúde sobre Primeiros Socorros”, promovido pela Faculdade de Enfermagem da UFBA e realizada na Escola Dom Avelar Brandão Vilela, no bairro Fazenda Grande do Retiro.

A Feira Educativa, que teve como tema a “Prevenção das Intoxicações e Queimaduras e o Suporte Básico de Vida”, incluiu ações informativas e expositivas referentes às intoxicações, primeiros socorros, suporte básico de vida e queimaduras e teve como público-alvo cerca de 300 estudantes do ensino fundamental (5ª a 8ª séries), na faixa etária de 11 a 18 anos.

O Centro contou com um stand onde expôs exemplos de agentes tóxicos como medicamentos, domissanitários, inseticidas e animais peçonhentos e orientou quanto à prevenção e primeiros socorros no caso de acidentes.

Segundo Edilúcia Salomão, enfermeira do Ciave, os jovens nessa faixa etária correspondem a aproximadamente  40% do total de casos atendidos pelo Centro, tendo c…

Análises Toxicológicas realizadas pelo Ciave é tema de palestra para estudantes de Medicina

As atividades do Laboratório de Análises Toxicológicas de Urgência (Labtox) do Centro de Informações Antiveneno (Ciave) foram tema de palestra para cerca de 100 estudantes do Curso de Medicina da Unime, em Lauro de Freitas. A apresentação foi feita por Jucelino Nery, farmacêutico e diretor interino do Ciave.
O Labtox foi criado em 1994 e é o único laboratório da rede pública de saúde no Estado que realiza análises toxicológicas. Além de auxiliar no dia diagnóstico das intoxicações agudas, realiza dosagens de medicamentos de baixa margem de segurança (doses terapêuticas próximas da dose tóxica) para o monitoramento terapêutico de fármacos (MTF), como o ácido valpróico, a carbamazepina, a digoxina, o fenobarbital, a fenitoína e a vancomicina.
De acordo com Jucelino, este suporte laboratorial tem uma grande relevância por contribuir para a utilização racional destes medicamentos, fornecendo subsídios para se avaliar a terapêutica e estabelecer um prognóstico mais seguro. Ainda segundo o…

Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia se posiciona em relação ao Projeto de Lei 6.299/2002

A Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM)emite um posicionamento contra o Projeto de Lei da Câmara dos Deputados que propôs modificações no sistema de regulação dos agrotóxicos. A nota emitida pela Sociedade é assinada por seu presidente, o Dr. Fábio Trujilho, e a presidente da Comissão de Desreguladores Endócrinos, a Dra. Elaine Frade:
"Em 25 de junho de 2018 a Comissão Especial da Câmara dos Deputados aprovou o texto que propõe modificações no sistema de regulação de agrotóxicos, seus componentes e afins. As alterações propostas flexibilizam essa regulação, negligenciando os riscos à saúde e ao meio ambiente que o uso indiscriminado destes compostos pode causar.
Propõe-se, nesse texto, a substituição do termo “agrotóxico” por “produto fitossanitário e de controle ambiental” com a clara intenção de passar a idéia de uma falsa inocuidade desses produtos para a população. Esta eufemização pode induzir ao uso indiscriminado pelo agricultor, causando contaminação o…

Na contramão de Europa e EUA, Brasil caminha para liberar mais agrotóxicos

Se o novo PL 6.299/2002, aprovado na noite de segunda-feira por uma comissão especial da Câmara dos Deputados, virar a nova lei de agrotóxicos, o Brasil estará na contramão das decisões recentes de países da União Europeia.

É o que diz a pesquisadora Larissa Mies Bombardi, do Laboratório de Geografia Agrária da Universidade de São Paulo (USP), autora do atlas Geografia do Uso de Agrotóxicos no Brasil e Conexões com a União Europeia, de 2017, que mapeia o uso dessas substâncias em todo o país e o compara com o uso nos países da UE.

"Para se ter uma ideia, eles (os europeus) acabaram de proibir o uso de inseticidas chamados de neonicotinoides, que são dos mais vendidos no mundo, por que pesquisas mostravam uma relação entre eles e a mortandade de abelhas", disse à BBC News Brasil.

"Aqui, essas substâncias ainda são usadas. E agora, com o novo projeto de lei, ainda vamos ampliar o leque de agrotóxicos disponíveis no mercado."

O projeto, proposto originalmente pelo ex-…

Mel diminui efeito cáustico da ingestão de pilhas botão

"Além disso, antes do tratamento deve-se considerar a história clínica de doenças que contraindicam o uso dessas substâncias, como a alergia grave ao mel ou ao sucralfato, e o fato de a criança ter menos de um ano de idade, devido ao pequeno risco de botulismo infantil associado ao mel”.

O mel pode diminuir o risco de lesões graves resultantes da ingestão da pilha botão (bateria redonda ou pilha moeda), e deve ser administrado o mais rápido possível, e repetidamente, após a ingestão da pilha, mostrou pesquisa.

Usando modelos de animais vivos e de cadáveres animais, Rachel R. Anfang, MA, da Divisão de Otorrinolaringologia do Children's Hospital of Philadelphia, na Pensilvânia (EUA), e colaboradores, avaliaram o efeito protetor do mel, bem como de bebidas comuns com baixa acidez, e do sucralfato, utilizado contra úlceras, nas lesões cáusticas causadas quando uma pilha botão entra em contato com a mucosa esofágica. Tanto o mel quanto o sucralfato diminuíram a descarga da bateria…

Profissionais do Ciave recomendam cuidado com intoxicações e envenenamentos nos festejos juninos

Durante as festas juninas, além da animação, existem também diversos fatores de risco de intoxicação ou envenenamento. Segundo o médico toxicologista Daniel Rebouças, diretor do Centro de Informações Antiveneno (Ciave), “neste período são frequentes as intoxicações por alimentos contaminados e bebidas alcóolicas, além dos acidentes por animais peçonhentos”.

O médico lembra que uma das grandes atrações das festas juninas são as comidas típicas. Portanto, deve-se estar atento para não sofrer intoxicação causada por alimentos contaminados por bactérias ou fungos que produzem toxinas, principalmente aqueles mal armazenados, manipulados ou expostos ao ambiente por muito tempo. Além dos alimentos prontos, é preciso ter cuidado também com os ingredientes como o amendoim e o milho, que podem representar perigo à saúde quando contaminados por fungos ou bactérias.

Para garantir que as delícias de São João não se transformem em dor de cabeça, é preciso tomar cuidado na hora de comprar os ingredi…

Homem quase morre por picada de cabeça de cobra cortada do corpo

Circula pelas mídias de notícias e sociais a informação sobre a ocorrência, há algumas semanas, de picada de um homem pela cabeça cortada de uma cascavel que ele havia matado. Segundo relatos, o fato ocorreu no Texas (Estados Unidos). O homem estava trabalhando no jardim, quando viu a cobra cascavel de 1,25m. Em seguida, ele a matou cortando a cabeça. Ao pegar as partes do animal para se livrar delas foi mordido, sendo levado ao hospital para tratamento.

Apesar de circular muitas fakenews atualmente e parecer estranha esta notícia, tudo indica que ela é verdadeira. Tal fato pode realmente ocorrer, esclarece o farmacêutico bioquímico Jucelino Nery, do Centro de Informações Antiveneno (Ciave), órgão da Secretaria da Saúde do Estado da Bahia.

Segundo o farmacêutico, “mesmo sendo decapitada, a serpente pode contorcer o corpo por mais de uma hora e a sua cabeça, mesmo separada do corpo, mantém o reflexo de mordida”. Afirma ainda que “estes movimentos ocorrem por um tempo (cerca de uma hor…

Intoxicações por agrotóxicos cresceram mais de 300% em nove anos no Estado (MG)

Minas é o segundo Estado no ranking nacional de intoxicações por agrotóxicos. O dado consta em relatório publicado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e revela que as notificações por aqui cresceram mais de 300% de 2007 a 2015. No período, mais de 13 mil casos foram contabilizados.  O aumento vai de encontro a um projeto de lei de autoria do deputado federal Luiz Nishimori (PR), do Paraná, que pretende flexibilizar o uso dos defensivos agrícolas em todo o país. O texto propõe, dentre outras medidas, a troca do termo “agrotóxico” por “produto fitossanitário”. Além disso, a proposta inicial visava concentrar a autorização para a venda dessas substâncias apenas no Ministério da Agricultura. Hoje, é preciso passar pelo crivo da Anvisa e do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) antes de a comercialização ser permitida. Porém, especialistas alertam que, caso o projeto seja aprovado, os prejuízos à saúde da população podem ser incalc…

Ciave disponibiliza o serviço de dosagem sérica de medicamentos para a rede pública de saúde

O Centro Antiveneno da Bahia (Ciave), através do seu laboratório de análises toxicológicas (Labtox), retoma as dosagens séricas de fármacos (medicamentos), disponibilizando o serviço para toda a rede pública de saúde. Daniel Rebouças, médico toxicologista e diretor da unidade, explica que o serviço havia sido interrompido em decorrência de dificuldades no processo licitatório para aquisição dos kits necessários para a execução dos exames, o que foi solucionado recentemente.
Daniel Rebouças ressalta a relevância das dosagens séricas de medicamentos de janela terapêutica estreita, ou seja, aqueles onde a dose terapêutica é muito próxima da dose tóxica, que é o caso dos fármacos dosados pelo Ciave: ácido valpróico, carbamazepina, digoxina, fenobarbital, fenitoína e vancomicina. Brevemente, serão também dosados a gentamicina, o metotrexato e a aminofilina (na forma de teofilina).
O coordenador técnico do Ciave, farmacêutico Jucelino Nery, explica que o Labtox/Ciave, além de…

O mundo se une contra as picadas de cobra, outra grande doença mortal

OMS aprova resolução para agir contra envenenamentos provocados por répteis que matam mais de 70.000 pessoas por ano.

Na Espanha, cerca de 130 pessoas são internadas todos os anos devido a picadas de cobra. Cada internação custa em torno de 2.000 euros (cerca de 8.566 reais) e as mortes por essa causa são pouco frequentes. Entre 1997 e 2009 foram registradas 17 mortes, quase todas porque houve muita demora para aplicar o tratamento. Como na Espanha, nos países mais desenvolvidos os animais venenosos não são um grande problema de saúde pública, mas a situação muda quando se observam as áreas rurais dos países tropicais.

Um exemplo das dificuldades enfrentadas pelos habitantes dessas regiões é o de Nyajinma, uma menina de seis anos do Sudão do Sul. Uma cobra a mordeu enquanto dormia e a mãe carregou-a durante uma hora e meia até o posto de saúde mais próximo. Lá não havia tratamento disponível e mãe e filha tiveram de ir ao hospital que a ONG Médicos Sem Fronteiras (MSF) tem em Agok, on…

Psicóloga do Ciave participa de curso no Canadá

A psicóloga Soraya Carvalho, coordenadora do Núcleo de Estudo e Prevenção do Suicídio (NEPS) do Centro Antiveneno da Bahia (CIAVE), participa do curso Avaliação de Programas de Prevenção do Suicídio, realizado em Montreal (Canadá), no período de 28 de maio a 01 de junho de 2018.
O evento, promovido pelo Centre de recherche et d’intervention sur le suicide (CRISE) da Université du Québec em Montreal (UQAM), consiste no primeiro curso oferecido a brasileiros que desenvolvem ações em Prevenção do Suicídio no país, além de fazer parte da cooperação técnica firmada entre a Associação Brasileira de Estudo e Prevenção do Suicídio - ABEPS e a Université du Québec em Montreal (UQAM), tendo como objetivo a troca de experiências entre as equipes canadense e brasileira, além de promover a extensão de treinamento às equipes de profissionais. Soraya Carvalho, que também integra a Diretoria da ABEPS, compõe o grupo dos 10 brasileiros convidados para participar deste evento.


O curso ocorre no âmbito do…

Aberta CP sobre medicamentos isentos de prescrição médica

A consulta pública visa debater proposta de resolução para consolidar normativos já utilizados na regulamentação de preços dos MIPs.

A Câmara de Regulação do Mercado de Medicamentos (CMED), cuja Secretaria-Executiva é exercida pela Anvisa, coloca em discussão a consulta pública nº 1/2018, publicada no DOU nesta segunda-feira (14/5), cuja proposta de regulamentação disciplina o monitoramento e a liberação dos critérios de estabelecimento ou ajuste de preços dos medicamentos isentos de prescrição médica (MIP), fitoterápicos e anestésicos locais injetáveis de uso odontológico.

A resolução objeto da consulta pública se propõe a consolidar vários normativos já utilizados na regulamentação de preços de medicamentos isentos de prescrição e avança nesse modelo de regulação.

A proposta de resolução dos preços, conforme previsto no inciso IV do art. 6º da Lei nº 10.742, de 06 de outubro de 2003, se justifica para dar mais transparência, previsibilidade e equilíbrio regulatório em produtos com ba…

Agrotóxicos: Anvisa é contrária ao PL 6299/02

Agência manifesta-se contrariamente ao Projeto de Lei que tramita na Câmara dos Deputados e que propõe que agrotóxicos não passem por avaliação sobre os riscos à saúde.

A Anvisa é contrária à proposta do substitutivo do Projeto de Lei (PL) 6299/02, que trata do registro, fiscalização e controle dos agrotóxicos no País e que retira da Agência, na prática, a competência de realizar reavaliação toxicológica e ambiental desses produtos. Para a Anvisa, o PL não contribui com a melhoria, disponibilidade de alimentos mais seguros ou novas tecnologias para o agricultor e nem mesmo com o fortalecimento do sistema regulatório de agrotóxicos, não atendendo, dessa forma, a quem deveria ser o foco da legislação: a população brasileira.

A proposta do substitutivo, de autoria do deputado Luiz Nishimori (PR-PR), é de que não haja mais avaliação e classificação de produtos pelas áreas de saúde e meio ambiente, mas apenas uma “homologação” da avaliação realizada pelas empresas registrantes de produtos …