quarta-feira, 8 de maio de 2019

CIAVE presente em debate na ALBA sobre "Valorização da Vida e Prevenção ao Suicídio"


Audiência Pública “Valorização da Vida e Prevenção
do Suicídio” (Imagem: ALBA).
Em audiência pública realizada nessa segunda-feira (06/05),  intitulada “Valorização da Vida e Prevenção do Suicídio”, promovida pela Comissão de Direitos Humanos e Segurança Pública da Assembleia Legislativa (ALBA), a psicóloga e coordenadora do Núcleo de Estudos e Prevenção do Suicídio (NEPS), do Centro Antiveneno da Bahia (CIAVE/SESAB), Soraya Carvalho, abordou sobre o suicídio.

Segundo Soraya Carvalho, a tentativa de suicídio constitui um fenômeno multideterminado, resultante de questões psíquicas, transtornos mentais, contexto social e, possivelmente, genético. Ainda de acordo com a coordenadora do NEPS, “os  índices estão se tornando alarmantes, não só pelo aumento das notificações, mas também por conta do imperativo de sucesso, de satisfação, de felicidade colocado para os jovens. Você não pode errar, você não pode fracassar, chorar, ser infeliz, você tem que ser, sempre, bem-sucedido. Então, isso torna a vida do ser humano, principalmente dos jovens, impossível”.

De acordo com o farmacêutico Jucelino Nery, diretor do CIAVE, o Centro atendeu 1.481 casos de tentativa de suicídio em 2018, correspondendo a 16% de todos os atendimentos, constatando-se um aumento de 21% em relação a 2017. Jucelino alerta, ainda, para o crescimento dessas ocorrências entre as crianças, crescimento esse que foi de 23% em 2018 em relação ao ano anterior.

Durante a 10ª reunião ordinária do colegiado da ALBA, na  manhã da terça-feira (07/05), foi aprovada pela Comissão a proposta de moção de aplauso ao Núcleo Estadual de Prevenção ao Suicídio (NEPS) e ao Centro de Valorização da Vida.

O NEPS propõe uma ação interdisciplinar, incluindo psicoterapia, psiquiatria, terapia ocupacional individual e de grupo, visitas domiciliares e reuniões familiares de caráter informativo, incluindo orientação e acolhimento. Para isso, conta com psicóloga, psiquiatras e terapeutas ocupacionais.

Fonte: CIAVE/SESAB

CIAVE realiza acolhimento de novos estagiários

Teve início nesta segunda-feira (06/05) a primeira turma de 2019 do estágio não obrigatório no Centro de Informações Antiveneno (Ciave), com estudantes oriundos do Programa Partiu Estágio. São acadêmicos de diversos cursos da área de saúde. O acolhimento foi realizado no auditório da Unidade, quando Jucelino Nery, diretor da Unidade, deu as boas vindas e falou sobre o Ciave e a relevância do campo de estágio. Em seguida, os estudantes conheceram as estruturas físicas do Centro.

Há 38 anos o Ciave disponibiliza campo de prática na área de Toxicologia, contribuindo para a formação de médicos, farmacêuticos, biólogos, veterinários, psicólogos, enfermeiros e terapeutas ocupacionais.

Os universitários têm a oportunidades de atuarem juntamente com a equipe multidisciplinar do Ciave, centro estadual de referência em Toxicologia, e conhecerem melhor essa área. Apenas os cursos de Farmácia e Medicina Veterinária possuem essa disciplina em sua matriz curricular, o que torna mais relevante este campo de estágio.

O fato de o Ciave estar localizado em uma unidade hospitalar e de emergência faz com que os seus profissionais estejam em constante exercício dos seus conhecimentos teóricos, o que lhes garantem mais prática e segurança para a prestação de uma orientação toxicológica confiável, frente aos inúmeros e diversificados agentes causadores de intoxicação. Além disso, esta prática contribui para a formação de novos profissionais que virão a atuar em outras unidades de saúde do SUS.

Segundo o Diretor do Ciave, Jucelino Nery, só em 2018 foram registrados no Estado mais de 30.000 intoxicações/envenenamentos. principalmente por animais peçonhentos e medicamentos, apesar da acentuada subnotificação.

Fonte: CIAVE/SESAB.

terça-feira, 5 de março de 2019

Ataque de abelhas no circuito do Carnaval: riscos e cuidados

Foliões e ambulantes sofreram ataque de abelhas no circuito Dodô, na Barra, em Salvador, na manhã dessa segunda-feira de Carnaval. Várias pessoas foram picadas, sendo socorridas pelos bombeiros e profissionais do SAMU, sendo algumas delas encaminhadas ao Hospital Geral do Estado (HGE).

As abelhas, assim como os maribondos (vespas) são animais peçonhentos muito comuns e os acidentes com este tipo de animal têm sido cada vez mais frequentes no Estado, podendo levar sérios riscos às vítimas. Segundo o farmacêutico Jucelino Nery, diretor do CIAVE, em 2018 foram registrados na Bahia mais de 1.000 casos (20 só em Salvador), com uma média mensal de mais de 90 acidentes, alguns destes com vítimas fatais. Nesse mesmo ano foram constatados 13 óbitos por este tipo de agravo.

Jucelino adverte que, ao se constatar a presença de um enxame de abelhas ou vespas, não se deve jogar água, pedras nem fazer barulho perto das colmeias. Cores e odores intensos e sons altos as irritam facilmente.

No caso de picadas, proteger o pescoço e o rosto; remover imediatamente os ferrões, pois eles continuam liberando o veneno gradativamente - a sua retirada interrompe esse processo e diminui o risco de agravamento do envenenamento - e procurar o atendimento médico o  mais rápido possível.

A remoção do ferrão deve ser feita pela base de inserção na pele, com auxílio de uma pinça de sombrancelha (não usar pinça comum), barbeador, faca afiada ou mesmo unha, de forma que não haja compressão da bolsa (glândula) de veneno que fica presa ao ferrão.

Outra orientação é não passar nada no local, principalmente o alho que provoca queimadura e não tem nenhuma ação contra o veneno. A vítima deve ser conduzida imediatamente a um serviço médico, podendo o CIAVE ser consultado através do número 0800 284 4343 para obtenção de orientações.

As manifestações clínicas podem ser alérgicas (mesmo com uma só picada) e tóxicas (múltiplas picadas). Após uma ferroada, ocorre dor aguda local, que tende a desaparecer espontaneamente em poucos minutos, deixando vermelhidão, prurido e edema por várias horas ou dias. O edema flogístico evolui para enduração local que aumenta de tamanho nas primeiras 24-48 horas, diminuindo gradativamente nos dias subsequentes.

Menos de 10% dos indivíduos que experimentarem grandes reações localizadas apresentarão as reações sistêmicas de anafilaxia, com sintomas de início rápido, onde podem estar presentes sintomas gerais como cefaléia, vertigens, calafrios, agitação psicomotora, sensação de opressão torácica, entre outros, e sintomas localizados em aparelhos e sistemas, como: prurido generalizado, eritema, urticária e angioedema; rinite, dispnéia, edema dos lábios, náuseas, cólicas abdominais ou pélvicas, vômitos e diarréia; hipotensão, palpitações e arritmias cardíacas e outros.

Nos acidentes provocados por ataque múltiplo de abelhas desenvolve-se um quadro tóxico generalizado denominado de Síndrome de Envenenamento, por causa da quantidade de veneno inoculada. Ainda não existe soro disponível para o tratamento do envenenamento por abelha, o que está na fase de teste.

Fonte: Ciave.

terça-feira, 12 de fevereiro de 2019

Abertas inscrições para estágio no CIAVE

Os estudantes da área de saúde que desejam realizar estágio no CIAVE em 2019 devem se inscrever no Programa de Estágio da SAEB - PARTIU ESTÁGIO, através do link http://www.programaestagio.saeb.ba.gov.br/#/app/inscricao/login, através do qual acessarão o Sistema de Inscrição para o Programa de Estágio do Governo da Bahia, que contempla estudantes dos cursos de graduação presencial, em instituições de ensino superior, quer sejam estaduais, federais ou particulares, sediadas na Bahia e que já tenham concluído, no mínimo, 50% do curso.

A carga horária das atividades de estágio é de 4h diárias e 20h semanais. A inscrição no banco de estagiários, deve ser feita no período de 30/01/2019 a 24/02/2019. Para realizar o cadastramento, é necessário criar um login, para receber uma senha em seu e-mail cadastrado, quando, assim, poderá ter acesso ao sistema.

O preenchimento das vagas obedecerá à ordem de prioridade dos critérios listados abaixo:

· Estar inscrito do CadÚnico, com renda per capta de até 1/2 (meio) salário mínimo, renda familiar máxima de 3 (três) salários mínimos;

· Ter estudado o nível médio em escolas públicas ou com bolsa integral na rede particular de ensino;

· Demais alunos.

Dentre os órgãos da Secretaria da Saúde do Estado da Bahia (SESAB), 0 CIAVE oferece vagas para Ciências Biológicas, Enfermagem, Farmácia, Medicina e Medicina Veterinária.

Confira o Edital em http://www.programaestagio.saeb.ba.gov.br/ .

Fonte: CIAVE, SESAB e SAEB.

quarta-feira, 16 de janeiro de 2019

Ciave alerta para aumento do risco de acidente escorpiônico e fake news


Na Bahia, em 2018, ocorreram 24.714 casos de acidente por animais peçonhentos, de acordo com o Sistema de Informação de Agravos de Notificação – Sinan, com 188 ocorrências em Salvador. Entre eles, o acidente escorpiônico predominou com 18.985 (76,8%), dos quais 47 se deram na capital.

No ano passado, o Centro de Informações Antiveneno – Ciave registrou o atendimento de 2.425 casos de escorpionismo. Já nessa primeira quinzena de janeiro, o Centro registrou 127 casos, 10% a mais que o mesmo período em 2018, com uma média de 9 ocorrências por dia.

Segundo Jucelino Nery, diretor do Ciave e coordenador estadual do Programa de Controle de Acidentes por Animais Peçonhentos, os acidentes escorpiônicos tiveram em 2018 um aumento de 22%, em relação ao ano anterior. Além do clima, o crescimento desordenado das áreas urbanas, a falta de saneamento básico, o desmatamento e o acúmulo de lixo, entulhos e restos de material de construção fazem com que os escorpiões procurem abrigo e alimento (insetos, principalmente a barata) próximo ou dentro das residências, ocorrendo os acidentes.

No caso de picada por escorpião, deve-se acalmar a vítima, lavar a região atingida com água e sabão (não aplicar alho ou qualquer outra coisa), colocá-la em posição de repouso e levá-la à unidade de saúde mais próxima do local de ocorrência. Quando contatado pela Unidade, o Ciave orientará quanto ao diagnóstico e tratamento desses pacientes.

O Ciave alerta para a fake news que está circulando atualmente nas redes sociais, onde está sendo recomendada a aplicação de gelo sobre o local da picada para atrasar a circulação de sangue. Segundo Jucelino Nery, “tal conduta não traz nenhum benefício para o paciente e pode atrasar a busca ao atendimento médico”.

Estes acidentes podem ser evitados com os seguintes cuidados:

- manter limpas as áreas internas e ao redor das residências, evitando o acúmulo de lixo, entulhos e outros materiais;
- manter berços e camas afastados da parede, principalmente em casas sem reboco;
- sacudir roupas, toalhas, panos de chão e calçados antes de usar;
- fechar buracos e frestas em paredes, janelas, portas e muros;
- proteger mãos e pés quando mexer em montes de lenha, tijolos, telhas, entulhos, folhagens e buracos;
- evitar a presença de baratas, que faz parte do cardápio dos escorpiões;
- usar telas em ralos e janelas.


Fonte: CIAVE.