Pular para o conteúdo principal

Ciave alerta para o risco de intoxicação do seu animal de estimação

Festas de fim de ano e período de férias, momentos em que os pets ficam mais próximos dos seus donos e quando muitos destes não resistem à tentação de compartilhar o seu alimento com os animais. Desta ação inocente e carinhosa pode resultar em um grande problema para a saúde dos animais.
Adriana Cavalcante, médica veterinária do Centro Antiveneno da Bahia (CIAVE), centro estadual de referência em Toxicologia, serviço que presta orientação toxicológica para casos humanos e veterinários de intoxicação aguda, alerta que os animais de estimação podem se intoxicar por diferentes substâncias perigosas que temos em nossa casa. Na maioria das vezes, isto ocorre quando ingerem determinados alimentos oferecidos pelos seus proprietários.

Dividir nossa refeição com os animais de estimação pode ser divertido, mas também bastante prejudicial, pois pode provocar transtornos decorrentes de uma intoxicação alimentar. Deve-se ter cuidado redobrado com os alimentos que ficam disponíveis e evitar oferecer restos de comida.

Os problemas decorrentes da intoxicação são inúmeros, muitos deles graves. Alimentos condimentados ou muito gordurosos, por exemplo, podem levar a vômitos e diarreia. Já os chocolates podem causar graves intoxicações, já que os cães possuem grande deficiência em metabolizar os seus componentes – o açúcar e a teobromina (estimulante similar à cafeína encontrado no cacau), podendo levá-los à morte.

Segundo um estudo feito por pesquisadores da Universidade de Liverpool, publicado no periódico Veterinary Record, a probabilidade de intoxicação por chocolate e seus derivados em cães é quatro vezes maior no Natal do que em um dia normal.

Além do chocolate, algumas frutas secas e castanhas que sobraram das festas de fim de ano podem levar a graves quadros de intoxicações. A uva-passa pode causar lesão renal aguda em cães por conta da ingestão das sementes e a noz macadâmia pode causar paralisia muscular temporária se ingerida em excesso.

Os ossos oferecidos pelos donos como “petiscos” podem levar a uma obstrução intestinal. Já alho e cebola em excesso podem provocar desde anemia, até quadros graves de intoxicação nos cães, devido à dificuldade em digerir esses alimentos.

Os sintomas dependem do tipo de alimento ingerido, mas a maioria dos quadros de intoxicação apresenta sinais agudos dentro de pouco tempo. Os mais comuns são perda de apetite, vômito, apatia, diarreia, dor abdominal e, às vezes, convulsões. Os sinais podem se acentuar e levar a prostração do animal.

Segundo a Dra. Adriana, além dos alimentos, devemos ter cuidados com os cães e gatos expostos à diversidade de produtos químicos existentes em casa como raticidas, produtos de limpeza, medicamentos, etc. Deve-se ficar atento ao aparecimento de alguns dos seguintes sintomas: febre, vômitos, diarreia, perda de apetite, depressão, convulsões, tremores musculares, aumento da salivação, pupilas dilatadas, aumento da frequência cardíaca, problemas de coordenação e falta de ar.

Caso o animal apresente um ou mais desses sintomas e haja a suspeita de contato com um agente químico, deve-se procurar o Médico Veterinário o mais rápido possível, antes que o estado de saúde dele se torne mais grave. O Ciave pode ser contatado pelo profissional para obter orientação quanto ao diagnóstico e tratamento.

O tratamento de intoxicação alimentar inclue medidas sintomáticas, além de soroterapia e muitas vezes de internação para emprego de tratamentos específicos como lavagem gástrica, medicamentos injetáveis e indução ao vômito. Depois de controlados os sintomas mais graves, muitos animais ainda vão para casa recebendo medicamentos via oral por alguns dias.

Fonte: Ciave

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Intoxicação por pó-de-mico

Continua um mistério a causa do surto que ocorreu no mês de março no município de Apuarema, interior da Bahia. A história teve início no dia 21/03, na Escola Municipal Aurino Nery, quando diversos alunos da oitava série manifestaram sinais de prurido na sala de aula causando uma pequena aglomeração naquele estabelecimento de ensino. Cerca de oito alunos manifestaram esses sinais na sala, saíram para o pavilhão e entraram em contato com turmas vizinhas  que acabaram manifestando os sintomas de prurido e urticária. O evento ocorreu se repetiu alguns dias depois. Ao todo foram mais de 40 crianças acometidas. Algumas apresentaram cefaléia. O colégio foi fechado temporariamente pela secretaria municipal de educação. As aulas foram retomadas no dia primeiro de abril sem indícios de um novo incidente. Suspeita-se que alguém tenha introduzido no local alguma substância. Pensou-se na possibilidade de ter sido “pó-de-mico”. O “pó-de-mico” consiste em tricomas (semelhante a pêlos) que recobrem as…

Ciave alerta para aumento do risco de acidente escorpiônico e fake news

Na Bahia, em 2018, ocorreram 24.714 casos de acidente por animais peçonhentos, de acordo com o Sistema de Informação de Agravos de Notificação – Sinan, com 188 ocorrências em Salvador. Entre eles, o acidente escorpiônico predominou com 18.985 (76,8%), dos quais 47 se deram na capital.
No ano passado, o Centro de Informações Antiveneno – Ciave registrou o atendimento de 2.425 casos de escorpionismo. Já nessa primeira quinzena de janeiro, o Centro registrou 127 casos, 10% a mais que o mesmo período em 2018, com uma média de 9 ocorrências por dia.
Segundo Jucelino Nery, diretor do Ciave e coordenador estadual do Programa de Controle de Acidentes por Animais Peçonhentos, os acidentes escorpiônicos tiveram em 2018 um aumento de 22%, em relação ao ano anterior. Além do clima, o crescimento desordenado das áreas urbanas, a falta de saneamento básico, o desmatamento e o acúmulo de lixo, entulhos e restos de material de construção fazem com que os escorpiões procurem abrigo e alimento (insetos…

Águas vivas começam a aparecer em maior quantidade em Itajaí

Quem aproveitou a manhã de quarta-feira para caminhar pela areia da Praia da Atalaia em Itajaí teve que desviar de águas vivas. Os organismos marinhos surgiram aos montes e deixaram a areia coberta. Apesar de causarem preocupação aos banhistas, as encontradas ali não provocam as populares queimaduras, que na verdade são um tipo de envenenamento. De acordo com o Corpo de Bombeiros a espécie presente na Atalaia é a racostoma atlanticun, que não queima. Isso, porém, não significa que os banhistas devem ter contato com o animal marinho. Isso porque é difícil identificar se uma água viva é nociva ou não. Coordenador de praia da corporação e oceanógrafo, o soldado Daniel Ribeiro explica que só especialistas conseguem identificar quais espécies causam queimaduras e que algumas se assemelham muito as racostoma, mas queimam. Ribeiro explica que o surgimento das águas vivas perto da costa ocorre em função de uma série de fatores naturais. Um deles são as correntes marinhas que transportam os orga…