Pular para o conteúdo principal

Simpósio faz alerta sobre exposição de populações ao agrotóxico

“A Realidade Silenciosa dos Impactos dos Agrotóxicos na Saúde Humana e no Meio Ambiente”, foi o tema da palestra de abertura do Simpósio Nacional de Vigilância em Saúde de Populações Expostas a Agrotóxicos, o Expo VSPEA, que está sendo realizado no auditório do Ministério Público, no Centro Administrativo da Bahia.

O agrônomo Luiz Cláudio Meirelles, pesquisador da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), foi o primeiro palestrante do dia e fez o alerta sobre a situação atual. Ele lembrou que o Brasil é o maior consumidor de agrotóxicos do mundo, com a utilização de 1 milhão de toneladas por ano. Este mercado movimenta R$ 35 bilhões anualmente.

“Segundo relatórios da Organização Mundial de Saúde (OMS), o envenenamento por agrotóxicos provoca 200 mil mortes por ano e 99% delas ocorrem nos países em desenvolvimento”, destaca o pesquisador. Luiz Cláudio ainda afirma que os órgãos de Saúde, Meio Ambiente, Trabalho e Educação nas três esferas de poder operam com capacidade reduzida para enfrentar o problema da exposição aos agrotóxicos.

Meirelles observa que de 2007 a 2013 a área plantada no Brasil se manteve, mas houve a intensificação do uso de agrotóxicos. Ele lembrou que a liberação dos transgênicos está associada a esta elevação. “Na discussão sobre a liberação dos transgênicos eles foram apresentados para a agricultura como uma evolução. Haveria a diminuição do uso de venenos porque as plantas seriam mais resistentes. Mas as modificações genéticas feitas nas sementes foram para elas, na verdade, suportarem mais veneno”, destaca.

Luiz Cláudio Meirelles relatou que, até setembro deste ano, 521 ingredientes ativos para agrotóxicos estão autorizados no Brasil. Deste total, 70 são proibidos na Austrália, Estados Unidos, Canadá e Europa. Dos 50 agrotóxicos mais vendidos no País, 29 são proibidos em outras nações. São comercializados 1070 tipos agrotóxicos no Brasil.

“É preciso trabalhar na redução da exposição aos agrotóxicos. Há estudos que comprovam o adoecimento por câncer decorrente a essa exposição. O Instituto Nacional do Câncer (Inca) já alertou sobre isso”, declara Meirelles.

Segundo o pesquisador da Fiocruz, existem muitos casos de intoxicação não notificados, principalmente crônicos. “A Vigilância em Saúde tem um papel fundamental para melhorar isso”, pontua.

Luiz Cláudio apontou problemas que precisam ser combatidos. “Os agrotóxicos não pagam impostos, o monitoramento da exposição e contaminação são precários, não há laboratórios para enviar amostras de trabalhadores contaminados, o incentivo à agroecologia ainda é pequeno e há a prevalência do interesse econômico”, enumera.

Após a palestra de Luiz Cláudio Meirelles, a coordenadora geral de Vigilância em Saúde Ambiental do Ministério da Saúde, Thais Cavendish, falou sobre “A Implementação da Vigilância em Saúde de Populações Expostas a Agrotóxicos (VSPEA)”.

Na sequência das palestras, começaram as apresentações, que seguem até quarta (07), das experiências de sucesso desenvolvidas no País no segmento de VSPEA. Dos 20 trabalhos selecionados para apresentação, cinco são de técnicos da Secretaria de Saúde do Estado da Bahia (Sesab). O simpósio é promovido pela Diretoria Vigilância Sanitária e Saúde Ambiental (Divisa) da Superintendência de Vigilância e Proteção da Saúde (Suvisa), órgão da Sesab.

 Fonte: Suvisa

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Intoxicação por pó-de-mico

Continua um mistério a causa do surto que ocorreu no mês de março no município de Apuarema, interior da Bahia. A história teve início no dia 21/03, na Escola Municipal Aurino Nery, quando diversos alunos da oitava série manifestaram sinais de prurido na sala de aula causando uma pequena aglomeração naquele estabelecimento de ensino. Cerca de oito alunos manifestaram esses sinais na sala, saíram para o pavilhão e entraram em contato com turmas vizinhas  que acabaram manifestando os sintomas de prurido e urticária. O evento ocorreu se repetiu alguns dias depois. Ao todo foram mais de 40 crianças acometidas. Algumas apresentaram cefaléia. O colégio foi fechado temporariamente pela secretaria municipal de educação. As aulas foram retomadas no dia primeiro de abril sem indícios de um novo incidente. Suspeita-se que alguém tenha introduzido no local alguma substância. Pensou-se na possibilidade de ter sido “pó-de-mico”. O “pó-de-mico” consiste em tricomas (semelhante a pêlos) que recobrem as…

Ciave alerta para aumento do risco de acidente escorpiônico e fake news

Na Bahia, em 2018, ocorreram 24.714 casos de acidente por animais peçonhentos, de acordo com o Sistema de Informação de Agravos de Notificação – Sinan, com 188 ocorrências em Salvador. Entre eles, o acidente escorpiônico predominou com 18.985 (76,8%), dos quais 47 se deram na capital.
No ano passado, o Centro de Informações Antiveneno – Ciave registrou o atendimento de 2.425 casos de escorpionismo. Já nessa primeira quinzena de janeiro, o Centro registrou 127 casos, 10% a mais que o mesmo período em 2018, com uma média de 9 ocorrências por dia.
Segundo Jucelino Nery, diretor do Ciave e coordenador estadual do Programa de Controle de Acidentes por Animais Peçonhentos, os acidentes escorpiônicos tiveram em 2018 um aumento de 22%, em relação ao ano anterior. Além do clima, o crescimento desordenado das áreas urbanas, a falta de saneamento básico, o desmatamento e o acúmulo de lixo, entulhos e restos de material de construção fazem com que os escorpiões procurem abrigo e alimento (insetos…

Águas vivas começam a aparecer em maior quantidade em Itajaí

Quem aproveitou a manhã de quarta-feira para caminhar pela areia da Praia da Atalaia em Itajaí teve que desviar de águas vivas. Os organismos marinhos surgiram aos montes e deixaram a areia coberta. Apesar de causarem preocupação aos banhistas, as encontradas ali não provocam as populares queimaduras, que na verdade são um tipo de envenenamento. De acordo com o Corpo de Bombeiros a espécie presente na Atalaia é a racostoma atlanticun, que não queima. Isso, porém, não significa que os banhistas devem ter contato com o animal marinho. Isso porque é difícil identificar se uma água viva é nociva ou não. Coordenador de praia da corporação e oceanógrafo, o soldado Daniel Ribeiro explica que só especialistas conseguem identificar quais espécies causam queimaduras e que algumas se assemelham muito as racostoma, mas queimam. Ribeiro explica que o surgimento das águas vivas perto da costa ocorre em função de uma série de fatores naturais. Um deles são as correntes marinhas que transportam os orga…