Pular para o conteúdo principal

Droga Contra Intoxicação Radioativa


Graças a um enorme investimento do governo americano, remédios para tratar intoxicação por radiação devem ser aprovados nos próximos anos. Por enquanto, o único tratamento disponível são as cápsulas de iodo que impedem a fixação de iodo radioativo no organismo. Mas não há qualquer terapia para os efeitos fisiológicos da radiação. Cinco drogas já apresentam resultados promissores (mais informações nesta página).
Em 2004, o congresso americano aprovou o Projeto BioShield e, dois anos depois, o Ato para Prevenção de Pandemias e Outras Ameaças. Na prática, bilhões de dólares foram liberados para pesquisas médicas úteis em situações de emergência, como ataques terroristas nucleares, químicos e biológicos. Cerca de US$ 500 milhões financiaram estudos relacionados ao tratamento e à prevenção da síndrome aguda da radiação (SAR), doença associada à exposição a altas doses de radiação ionizante em um curto período de tempo.
Os novos remédios também servirão para situações de crise nuclear, como o acidente na usina nuclear soviética de Chernobyl, em 1986, ou a catástrofe de Fukushima, no ano passado, quando um tsunami devastou a costa japonesa. No Brasil, essas drogas teriam ajudado, por exemplo, a diminuir os danos do acidente com o césio-137, em Goiânia, quando uma cápsula de material radioativo de um aparelho de raio-X foi desmontada em um ferro velho, um ano depois de Chernobyl. Onze pessoas morreram e cerca de 600 foram contaminadas.
De acordo com o cientista José Roberto Rogero, do Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares (Ipen), com pequenas adaptações, esses medicamentos também poderão ser úteis para diminuir os efeitos adversos associados à radioterapia. "Poderão servir, por exemplo, para proteger as células saudáveis do organismo."
Hoje, os tratamentos disponíveis só servem para diminuir os sintomas, que costumam variar de enjoo e dor de cabeça à síndrome hematopoiética - falência das células responsáveis pela produção do sangue, com a consequente diminuição no número de glóbulos vermelhos, brancos e plaquetas. Daí a necessidade de transfusões, antibióticos e suplementos de fluidos. Drogas oncológicas são usadas para estimular o funcionamento do sistema imune.

Se a exposição à radiação for maior, pode ocorrer a síndrome gastrointestinal, com hemorragias no sistema digestivo, mais difícil de ser tratada, que pode levar à morte em cinco dias. Nos casos mais graves, chega-se à síndrome do sistema nervoso central, quando neurônios - as células mais resistentes à radiação - morrem. O quadro de agonia dura poucas horas e é sempre fatal.
Rogero recorda que o principal efeito da radiação é a produção de radicais livres. "A radiação atinge as moléculas de água e oxigênio, abundantes no organismo, e produz os radicais livres, que começam a reagir e alterar diversas estruturas celulares, como o DNA e a membrana", afirma. "A maioria das novas drogas atua como antioxidante, ou seja, tenta diminuir o estrago causado pelos radicais livres. O ideal, portanto, é que sejam tomadas antes da exposição para evitar os danos."
No País, alguns pesquisadores estudam a atividade do resveratrol, um antioxidante natural presente no suco de uva e no vinho. Rogero, por exemplo, testa a substância em culturas de células expostas à radiação. "Já percebemos que em pequenas doses, ele possui uma ação radioprotetora", descreve o cientista. "Em doses maiores, funciona como radiosensibilizador, amplificando o efeito da radiação."
Aquilino Senra, vice-diretor da Coppe-UFRJ, prevê que a criação de medicamentos eficazes para tratar a síndrome pode diminuir o temor nuclear. Em 2011, a Alemanha anunciou que pretende desligar todas suas usinas nucleares até 2022. "É uma medida inconsistente", afirma Senra. "Ela ainda vai comprar energia de matriz nuclear da França e da República Checa."
"Ainda não sabemos qual será o mercado dessas drogas", afirma Ramesh Kumar, presidente da Onconova, uma das empresas que desenvolvem os novos medicamentos. Ele aponta que os principais compradores serão os governos, mas teme um mercado excessivamente restrito.
Fonte: O Estado de São Paulo. Leia mais.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Intoxicação por pó-de-mico

Continua um mistério a causa do surto que ocorreu no mês de março no município de Apuarema, interior da Bahia. A história teve início no dia 21/03, na Escola Municipal Aurino Nery, quando diversos alunos da oitava série manifestaram sinais de prurido na sala de aula causando uma pequena aglomeração naquele estabelecimento de ensino. Cerca de oito alunos manifestaram esses sinais na sala, saíram para o pavilhão e entraram em contato com turmas vizinhas  que acabaram manifestando os sintomas de prurido e urticária. O evento ocorreu se repetiu alguns dias depois. Ao todo foram mais de 40 crianças acometidas. Algumas apresentaram cefaléia. O colégio foi fechado temporariamente pela secretaria municipal de educação. As aulas foram retomadas no dia primeiro de abril sem indícios de um novo incidente. Suspeita-se que alguém tenha introduzido no local alguma substância. Pensou-se na possibilidade de ter sido “pó-de-mico”. O “pó-de-mico” consiste em tricomas (semelhante a pêlos) que recobrem as…

Ciave alerta para aumento do risco de acidente escorpiônico e fake news

Na Bahia, em 2018, ocorreram 24.714 casos de acidente por animais peçonhentos, de acordo com o Sistema de Informação de Agravos de Notificação – Sinan, com 188 ocorrências em Salvador. Entre eles, o acidente escorpiônico predominou com 18.985 (76,8%), dos quais 47 se deram na capital.
No ano passado, o Centro de Informações Antiveneno – Ciave registrou o atendimento de 2.425 casos de escorpionismo. Já nessa primeira quinzena de janeiro, o Centro registrou 127 casos, 10% a mais que o mesmo período em 2018, com uma média de 9 ocorrências por dia.
Segundo Jucelino Nery, diretor do Ciave e coordenador estadual do Programa de Controle de Acidentes por Animais Peçonhentos, os acidentes escorpiônicos tiveram em 2018 um aumento de 22%, em relação ao ano anterior. Além do clima, o crescimento desordenado das áreas urbanas, a falta de saneamento básico, o desmatamento e o acúmulo de lixo, entulhos e restos de material de construção fazem com que os escorpiões procurem abrigo e alimento (insetos…

Águas vivas começam a aparecer em maior quantidade em Itajaí

Quem aproveitou a manhã de quarta-feira para caminhar pela areia da Praia da Atalaia em Itajaí teve que desviar de águas vivas. Os organismos marinhos surgiram aos montes e deixaram a areia coberta. Apesar de causarem preocupação aos banhistas, as encontradas ali não provocam as populares queimaduras, que na verdade são um tipo de envenenamento. De acordo com o Corpo de Bombeiros a espécie presente na Atalaia é a racostoma atlanticun, que não queima. Isso, porém, não significa que os banhistas devem ter contato com o animal marinho. Isso porque é difícil identificar se uma água viva é nociva ou não. Coordenador de praia da corporação e oceanógrafo, o soldado Daniel Ribeiro explica que só especialistas conseguem identificar quais espécies causam queimaduras e que algumas se assemelham muito as racostoma, mas queimam. Ribeiro explica que o surgimento das águas vivas perto da costa ocorre em função de uma série de fatores naturais. Um deles são as correntes marinhas que transportam os orga…