Pular para o conteúdo principal

O vinagre e o gás lacrimogênio

Têm-se ouvido frequentemente na mídia sobre a utilização do vinagre, nas manifestações que vem ocorrendo no país, como tentativa de amenizar os efeitos do gás lacrimogêneo, geralmente a base de cloroacetofenona.

Segundo o toxicologista Flávio Zambrone, de Campinas (SP), apesar de relatos de que o vinagre (ácido acético) causa a sensação de alívio, ele não protege contra o gás. Explica, ainda, que o vinagre não neutraliza as queimaduras e pode aumentar a irritação na pele e principalmente na região dos olhos. Segundo Zambrone, a recomendação pode ser considerada um mito.

O médico toxicologista Anthony Wong, diretor do Ceatox (Centro de Assistência Toxicológica do Hospital das Clínicas de São Paulo), assim como Dr. Eduardo De Capitani, coordenador do Centro de Controle de Intoxicações (CCI) da Unicamp (SP)afirma que nunca tinha ouvido falar sobre essa suposição. 

Wong ressalta que se usado em grandes quantidades, inclusive, o ácido acético pode provocar ainda mais dano às mucosas afetadas pelos componentes irritantes do gás lacrimogêneo. Ele ainda comenta que, há pouco tempo, foi divulgado que o líquido ajudaria a burlar o bafômetro, o que também é mentira.

Segundo De Capitani, o vinagre já foi utilizado para tratar pessoas com ardência na pele por causa da capsaicina, substância derivada da pimenta vermelha e usada no spray de pimenta. “Não tem nenhum trabalho que considere o uso de vinagre contra gás. Para gás lacrimogêneo, eu nunca vi nada para amenizar os sintomas”, disse o toxicologista.

Zambrone explica que o gás é um derivado do cloro e causa reação ao entrar em contato com a água das mucosas, queimaduras na pele, nariz e boca. “Nos pulmões provoca um aperto no peito, como se fosse uma sensação de respirar dentro de um saco plástico. Para quem tem enfermidades cardíacas e respiratórias, inalar o gás pode provocar até a morte”, disse. Outro reflexo são tosses, vômitos, queimaduras e glaucoma nos olhos.

Os efeitos levam entre 20 a 45 minutos para passar. Por esse motivo, a recomendação do toxicologista é de lavar o local em que o gás atingiu, buscar ar puro e manter a calma. "O melhor conselho é se afastar de áreas que espalham o gás, pois os componentes ficam no ar e os riscos são grandes de queimaduras", alerta o toxicologista. Em casos mais críticos, a orientação é procurar o atendimento médico.

Segundo Zambrone, para combater as substâncias reativas podem ser utilizadas máscaras com filtro de carvão ativado. “O carvão usado em churrasco, mas de uma forma mais seca", disse. Uma forma caseira de fazer uma proteção é ultizar um pano de tecido de algodão com o carvão ativado moído e colocar no rosto próximo da boca e do nariz para evitar inalar o composto.

Entretanto, o toxicologista Anthony Wong esclarece que a proteção improvisada não seria suficiente para proteger os olhos e a pele:  "Logo após a explosão, os componentes do gás lacrimogêneo ainda estão em estado líquido e podem provocar queimaduras graves", alerta o toxicologista. Portanto, o conselho dele é mesmo se afastar de possíveis locais onde essas bombas possam ser usadas. 

Zambrone ainda sugere como medida paliativa o uso de óculos que são vedados como o de motociclista, de mergulho e de piscina. Em casos de aspirar o gás, pode ser feita uma preparação com bicarbonato de sódio com água que melhoraram a inalação, no entanto o toxicologista afirma que o método não tem comprovação científica.

Sobre a divulgação em redes sociais de que a oleosidade da pele poderia facilitar o processo de queimadura feita pelo gás, Zambrone afirma que não há estudos que comprovem essa teoria. “A queimadura é muito rápida. O banho é sempre bom, mas neste caso não ajuda em nada”, explica. Para a prevenção pode ser aplicado um protetor físico e também pasta d’água e produtos utilizados para amenizar assaduras de crianças.

O Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC), dos EUA, ensina as pessoas a tirarem as roupas imediatamente após a exposição ao gás lacrimogêneo. As peças devem ser envolvidas em sacos plásticos e entregues às equipes responsáveis pelo atendimento a vítimas de exposição, pelo risco de provocar irritações graves em quem tocar nelas. 

Fonte: G1 e Uol NotíciasLeia mais.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Intoxicação por pó-de-mico

Continua um mistério a causa do surto que ocorreu no mês de março no município de Apuarema, interior da Bahia. A história teve início no dia 21/03, na Escola Municipal Aurino Nery, quando diversos alunos da oitava série manifestaram sinais de prurido na sala de aula causando uma pequena aglomeração naquele estabelecimento de ensino. Cerca de oito alunos manifestaram esses sinais na sala, saíram para o pavilhão e entraram em contato com turmas vizinhas  que acabaram manifestando os sintomas de prurido e urticária. O evento ocorreu se repetiu alguns dias depois. Ao todo foram mais de 40 crianças acometidas. Algumas apresentaram cefaléia. O colégio foi fechado temporariamente pela secretaria municipal de educação. As aulas foram retomadas no dia primeiro de abril sem indícios de um novo incidente. Suspeita-se que alguém tenha introduzido no local alguma substância. Pensou-se na possibilidade de ter sido “pó-de-mico”. O “pó-de-mico” consiste em tricomas (semelhante a pêlos) que recobrem as…

Ciave alerta para aumento do risco de acidente escorpiônico e fake news

Na Bahia, em 2018, ocorreram 24.714 casos de acidente por animais peçonhentos, de acordo com o Sistema de Informação de Agravos de Notificação – Sinan, com 188 ocorrências em Salvador. Entre eles, o acidente escorpiônico predominou com 18.985 (76,8%), dos quais 47 se deram na capital.
No ano passado, o Centro de Informações Antiveneno – Ciave registrou o atendimento de 2.425 casos de escorpionismo. Já nessa primeira quinzena de janeiro, o Centro registrou 127 casos, 10% a mais que o mesmo período em 2018, com uma média de 9 ocorrências por dia.
Segundo Jucelino Nery, diretor do Ciave e coordenador estadual do Programa de Controle de Acidentes por Animais Peçonhentos, os acidentes escorpiônicos tiveram em 2018 um aumento de 22%, em relação ao ano anterior. Além do clima, o crescimento desordenado das áreas urbanas, a falta de saneamento básico, o desmatamento e o acúmulo de lixo, entulhos e restos de material de construção fazem com que os escorpiões procurem abrigo e alimento (insetos…

Águas vivas começam a aparecer em maior quantidade em Itajaí

Quem aproveitou a manhã de quarta-feira para caminhar pela areia da Praia da Atalaia em Itajaí teve que desviar de águas vivas. Os organismos marinhos surgiram aos montes e deixaram a areia coberta. Apesar de causarem preocupação aos banhistas, as encontradas ali não provocam as populares queimaduras, que na verdade são um tipo de envenenamento. De acordo com o Corpo de Bombeiros a espécie presente na Atalaia é a racostoma atlanticun, que não queima. Isso, porém, não significa que os banhistas devem ter contato com o animal marinho. Isso porque é difícil identificar se uma água viva é nociva ou não. Coordenador de praia da corporação e oceanógrafo, o soldado Daniel Ribeiro explica que só especialistas conseguem identificar quais espécies causam queimaduras e que algumas se assemelham muito as racostoma, mas queimam. Ribeiro explica que o surgimento das águas vivas perto da costa ocorre em função de uma série de fatores naturais. Um deles são as correntes marinhas que transportam os orga…