Pular para o conteúdo principal

Paraná lança protocolo inédito para atendimento a intoxicação por agrotóxicos

A Secretaria de Estado da Saúde do Paraná lançou na semana passada, em Curitiba, protocolo pioneiro no país que direciona o atendimento, diagnóstico e vigilância dos casos de intoxicação crônica por agrotóxico em todo o Estado. O documento servirá de base de procedimentos para profissionais das unidades de saúde.
“A intoxicação crônica é silenciosa e geralmente é diagnosticada tardiamente. Queremos reverter isso, diagnosticando o problema de forma precoce e iniciando o tratamento o mais cedo possível”, explicou o secretário estadual da Saúde, Michele Caputo Neto.
Esta é a primeira vez que um documento completo sobre o tema é organizado por um governo estadual. “Este protocolo será modelo para o país, visto que não há nada parecido no Brasil e o risco de intoxicação crônica por agrotóxico está presente em todas as regiões”, enfatizou o secretário.

Liderança no ranking de consumo de agrotóxicos.
O Brasil é o maior consumidor de agrotóxicos do mundo e o Paraná é o terceiro do país, por conta da forte atividade agrícola. De 2007 a 2011, o Estado registrou média de 1.300 casos de intoxicações ao ano, sendo apenas 0,8% do tipo crônica.
Estima-se ainda que, anualmente, existam mais de 400 mil pessoas contaminadas por agrotóxicos no país, com cerca de 4 mil mortes. Apesar disso, o banco de dados do Ministério da Saúde registra apenas 7.676 casos e 204 mortes, segundo as informações de 2010. Esta subnotificação pode estar ligada à dificuldade de diagnóstico.
A intoxicação pode trazer danos à saúde do paciente e acarretar sequelas irreversíveis. Os problemas mais comuns são câncer, distúrbios de comportamento, problemas de pele e outros relacionados ao sistema neurológico, respiratório e digestivo.

Alerta aos riscos
Segundo o diretor do Centro Estadual de Saúde do Trabalhador, José Lúcio dos Santos, o próximo passo agora é incorporar o protocolo nas unidades de saúde e hospitais inseridos nas regiões de risco. “É importante que o profissional fique atento aos sintomas e sinais de alerta apresentados pelo paciente. Caso a pessoa resida ou trabalhe em áreas que usem ou produzem agrotóxicos, é preciso que se faça o nexo causal”, destacou.
Entre as atividades e condições com maior risco de intoxicação estão trabalhadores da agricultura, indústria, comércio e transporte de agrotóxicos, jardinagem, pecuária, silvicultura, controle de endemias, vetores e pragas urbanas, bem como moradores do entorno de unidades produtivas e de manuseio de agrotóxicos.
No início de 2014, a Secretaria Estadual da Saúde vai iniciar o processo de capacitação dos profissionais da atenção primária para ampliar o alcance do protocolo. O objetivo será apresentar as informações do documento, tirar dúvidas dos profissionais e melhorar as condições de diagnóstico precoce deste tipo de intoxicação.

Histórico
A elaboração do protocolo foi coordenada pela professora Heloísa Pacheco Ferreira, referência nacional nesta área. Todo o trabalho foi realizado ao longo de dois anos e se baseou em um amplo estudo de campo realizado pela Secretaria Estadual da Saúde, em parceria com o Núcleo de Estudos em Saúde Coletiva da Universidade Federal do Paraná (NESC/UFPR), Universidade Tuiuti do Paraná (UTP) e Universidade Estadual do Oeste do Paraná (Unioeste), além de profissionais do Hospital do Trabalhador, Hospital de Clínicas e secretarias municipais de Saúde de Curitiba, Céu Azul, Cascavel, Vera Cruz do Oeste e Anahy.

Fonte: CBN Foz. Leia mais.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Intoxicação por pó-de-mico

Continua um mistério a causa do surto que ocorreu no mês de março no município de Apuarema, interior da Bahia. A história teve início no dia 21/03, na Escola Municipal Aurino Nery, quando diversos alunos da oitava série manifestaram sinais de prurido na sala de aula causando uma pequena aglomeração naquele estabelecimento de ensino. Cerca de oito alunos manifestaram esses sinais na sala, saíram para o pavilhão e entraram em contato com turmas vizinhas  que acabaram manifestando os sintomas de prurido e urticária. O evento ocorreu se repetiu alguns dias depois. Ao todo foram mais de 40 crianças acometidas. Algumas apresentaram cefaléia. O colégio foi fechado temporariamente pela secretaria municipal de educação. As aulas foram retomadas no dia primeiro de abril sem indícios de um novo incidente. Suspeita-se que alguém tenha introduzido no local alguma substância. Pensou-se na possibilidade de ter sido “pó-de-mico”. O “pó-de-mico” consiste em tricomas (semelhante a pêlos) que recobrem as…

Ciave alerta para aumento do risco de acidente escorpiônico e fake news

Na Bahia, em 2018, ocorreram 24.714 casos de acidente por animais peçonhentos, de acordo com o Sistema de Informação de Agravos de Notificação – Sinan, com 188 ocorrências em Salvador. Entre eles, o acidente escorpiônico predominou com 18.985 (76,8%), dos quais 47 se deram na capital.
No ano passado, o Centro de Informações Antiveneno – Ciave registrou o atendimento de 2.425 casos de escorpionismo. Já nessa primeira quinzena de janeiro, o Centro registrou 127 casos, 10% a mais que o mesmo período em 2018, com uma média de 9 ocorrências por dia.
Segundo Jucelino Nery, diretor do Ciave e coordenador estadual do Programa de Controle de Acidentes por Animais Peçonhentos, os acidentes escorpiônicos tiveram em 2018 um aumento de 22%, em relação ao ano anterior. Além do clima, o crescimento desordenado das áreas urbanas, a falta de saneamento básico, o desmatamento e o acúmulo de lixo, entulhos e restos de material de construção fazem com que os escorpiões procurem abrigo e alimento (insetos…

Águas vivas começam a aparecer em maior quantidade em Itajaí

Quem aproveitou a manhã de quarta-feira para caminhar pela areia da Praia da Atalaia em Itajaí teve que desviar de águas vivas. Os organismos marinhos surgiram aos montes e deixaram a areia coberta. Apesar de causarem preocupação aos banhistas, as encontradas ali não provocam as populares queimaduras, que na verdade são um tipo de envenenamento. De acordo com o Corpo de Bombeiros a espécie presente na Atalaia é a racostoma atlanticun, que não queima. Isso, porém, não significa que os banhistas devem ter contato com o animal marinho. Isso porque é difícil identificar se uma água viva é nociva ou não. Coordenador de praia da corporação e oceanógrafo, o soldado Daniel Ribeiro explica que só especialistas conseguem identificar quais espécies causam queimaduras e que algumas se assemelham muito as racostoma, mas queimam. Ribeiro explica que o surgimento das águas vivas perto da costa ocorre em função de uma série de fatores naturais. Um deles são as correntes marinhas que transportam os orga…