Pular para o conteúdo principal

Substâncias cancerígenas detectadas em acessórios de pulseiras coloridas

Acessórios das pulseiras coloridas de elástico.
Recentemente têm circulado notícias sobre o risco dos pequenos anéis de elásticos coloridos utilizados para fazer pulseirinhas  e outros produtos de artesanato, e que atualmente viraram moda entre crianças e adolescentes de todo o mundo. No Brasil, a loom band é conhecida como pulseira loom, pulseira de elástico loom, rainbow loom, entre outras designações.

A origem dos alertas está na pesquisa feita na Europa pelo Birmingham Assay Office, na Inglaterra, e divulgada pela rede de notícias BBC, em 29 de agosto desse ano, o qual analisou os acessórios das famosas pulseiras de elásticos coloridos, os quais são conhecidos como “loom band charms”, e detectou elementos nocivos aos humanos presentes nesse produto e apontaram um pingente contendo 40% de ftalatos em sua composição, enquanto a legislação da União Europeia estabelece o limite máximo de 0,1%.

Com base nessa notícia, a Associação de Consumidores - Proteste, no Brasil, enviou um ofício ao Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro) e à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), em 10 de setembro, pedindo que os órgãos fiscalizassem e recolhessem do mercado os acessórios e elásticos usados para fazer as pulseiras e anéis conhecidos como "loom band charms".

O Inmetro, por meio de sua Divisão de Metrologia Química, vinculada à Diretoria de Metrologia Científica, realizou em outubro a análise de amostras de “kit de pulseiras de elástico”, visando detectar a presença de metais pesados e ftalatos. Os resultados encontrados nestas amostras indicaram concentrações "abaixo do limite de detecção" e não apresentaram riscos químicos significativos.

O órgão alerta que foi considerado brinquedo, devido ao seu caráter lúdico, apenas o kit "Fábrica de Pulseiras", da Estrela, que inclui elásticos e utensílios, como tear, para a confecção das pulseiras por crianças.

O Inmetro esclarece ainda que, em relação à denúncia feita no Reino Unido de que produtos semelhantes às pulseiras (bijuterias) possuíam alto teor de ftalatos, esta não diz respeito às pulseiras em si e sim aos pingentes (“charms”) que são pendurados como acessórios ao produto. A denúncia teve como alvo os produtos piratas vendidos no mercado informal daquele país.

Os ftalatos são um grupo de compostos químicos derivados do ácido ftálico, utilizado em centenas de produtos como aditivo para deixar o plástico mais flexíveis, como embalagens de alimentos, algumas mamadeiras e brinquedos. Tal grupo de compostos é tido como cancerígeno, podendo causar danos ao fígado, rins e pulmão, além de anormalidade no sistema reprodutivo, também provocam alterações hormonais.

No Brasil, a presença de ftalatos em brinquedos é regulamentada pela Portaria nº 369/2007. O seu texto determina que os ftalatos de di-(2-etil-hexila) (DEHP), de dibutila (DBP) e de benzilbutila (BBP) "não devem ser utilizados como substâncias ou componentes de preparações em concentrações superiores a 0,1 % em massa de material plastificado, em todos os tipos de brinquedos de material vinílico". Os mesmos ftalatos e mais os de di-isononila (DINP), de di-isodecila (DIDP) e de di-noctila (DNOP) "não devem ser utilizados como substâncias ou componentes de preparações em concentrações superiores a 0,1 % em massa de material plastificado, em brinquedos de material vinílico destinados a crianças com idade inferior a 3 anos".

O limite estabelecido no país (0,1%) está alinhado à concentração máxima para esse tipo de composto praticado nos Estados Unidos e na União Europeia, conforme o Inmetro. Assim, os produtos devidamente certificados que são encontrados no mercado brasileiro com o Selo de Identificação da Conformidade do Órgão apresentam adequado grau de confiança e, portanto, podem ser utilizados sem oferecer risco à saúde de seus usuários.

De qualquer forma, vale o alerta para que os pais estejam sempre atentos para evitar que as crianças levem estes e outros objetos à boca, pois há sempre o risco à saúde, seja por contaminação ou por ação mecânica ao engolí-los.


Fontes: BBC, Proteste, O Globo e Inmetro.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Intoxicação por pó-de-mico

Continua um mistério a causa do surto que ocorreu no mês de março no município de Apuarema, interior da Bahia. A história teve início no dia 21/03, na Escola Municipal Aurino Nery, quando diversos alunos da oitava série manifestaram sinais de prurido na sala de aula causando uma pequena aglomeração naquele estabelecimento de ensino. Cerca de oito alunos manifestaram esses sinais na sala, saíram para o pavilhão e entraram em contato com turmas vizinhas  que acabaram manifestando os sintomas de prurido e urticária. O evento ocorreu se repetiu alguns dias depois. Ao todo foram mais de 40 crianças acometidas. Algumas apresentaram cefaléia. O colégio foi fechado temporariamente pela secretaria municipal de educação. As aulas foram retomadas no dia primeiro de abril sem indícios de um novo incidente. Suspeita-se que alguém tenha introduzido no local alguma substância. Pensou-se na possibilidade de ter sido “pó-de-mico”. O “pó-de-mico” consiste em tricomas (semelhante a pêlos) que recobrem as…

Ciave alerta para aumento do risco de acidente escorpiônico e fake news

Na Bahia, em 2018, ocorreram 24.714 casos de acidente por animais peçonhentos, de acordo com o Sistema de Informação de Agravos de Notificação – Sinan, com 188 ocorrências em Salvador. Entre eles, o acidente escorpiônico predominou com 18.985 (76,8%), dos quais 47 se deram na capital.
No ano passado, o Centro de Informações Antiveneno – Ciave registrou o atendimento de 2.425 casos de escorpionismo. Já nessa primeira quinzena de janeiro, o Centro registrou 127 casos, 10% a mais que o mesmo período em 2018, com uma média de 9 ocorrências por dia.
Segundo Jucelino Nery, diretor do Ciave e coordenador estadual do Programa de Controle de Acidentes por Animais Peçonhentos, os acidentes escorpiônicos tiveram em 2018 um aumento de 22%, em relação ao ano anterior. Além do clima, o crescimento desordenado das áreas urbanas, a falta de saneamento básico, o desmatamento e o acúmulo de lixo, entulhos e restos de material de construção fazem com que os escorpiões procurem abrigo e alimento (insetos…

Águas vivas começam a aparecer em maior quantidade em Itajaí

Quem aproveitou a manhã de quarta-feira para caminhar pela areia da Praia da Atalaia em Itajaí teve que desviar de águas vivas. Os organismos marinhos surgiram aos montes e deixaram a areia coberta. Apesar de causarem preocupação aos banhistas, as encontradas ali não provocam as populares queimaduras, que na verdade são um tipo de envenenamento. De acordo com o Corpo de Bombeiros a espécie presente na Atalaia é a racostoma atlanticun, que não queima. Isso, porém, não significa que os banhistas devem ter contato com o animal marinho. Isso porque é difícil identificar se uma água viva é nociva ou não. Coordenador de praia da corporação e oceanógrafo, o soldado Daniel Ribeiro explica que só especialistas conseguem identificar quais espécies causam queimaduras e que algumas se assemelham muito as racostoma, mas queimam. Ribeiro explica que o surgimento das águas vivas perto da costa ocorre em função de uma série de fatores naturais. Um deles são as correntes marinhas que transportam os orga…