Pular para o conteúdo principal

Toxicologia: o conhecimento sobre QSAR e sua aplicação na avaliação emergencial dos agentes químicos de guerra e de acidentes químicos.


ESCRITO POR CARLOS EDUARDO MATOS E CAMILLA COLASSO | 30 NOVEMBRO 2011
POSTED IN NOTÍCIAS TOXICOLOGIA EM MANCHETE

O conhecimento da Toxicologia transpõe os diferentes contextos de uso das substâncias químicas propugnando pela segurança, seja no planejamento de formas de uso, seja no planejamento de intervenções em emergências. Numa situação em que há uma emergência química, para que seja realizada uma intervenção efetiva é essencial o conhecimento sobre a substância, suas características físico-químicas e toxicológicas, informações sobre a toxicidade (toxicodinâmica). Tais informações nem sempre estão disponíveis para todos os agentes químicos.

Entre as situações emergenciais tem sido crescente a preocupação quanto ao emprego de agentes químicos em atentados terroristas, como, também, em confrontos de guerra. Os agentes químicos de guerra são definidos como qualquer substância química cujas propriedades tóxicas são utilizadas com a finalidade de matar, ferir ou incapacitar algum inimigo na guerra ou associado a operações militares. A guerra química talvez seja tão antiga quanto a própria história das guerras na humanidade, mas foi a partir da Primeira Guerra Mundial que estas armas ganharam a conotação de armas de destruição em massa, pois foram amplamente utilizadas com a finalidade de provocar injúrias e/ou mortes.

Nos Estados Unidos, o Centers for Disease Control and Prevention (CDC), incluiu em seu plano a utilização da tecnologia (Q)SAR (Quantitative Structure-Activity Relationship) para a avaliação de substâncias para as quais não há informação disponível, tendo organizado uma lista de substâncias críticas (chamada de Chemical Terrorism List). A tecnologia (Q)SAR pode fornecer, em poucas horas, resultados que, por outras vias, demorariam meses ou anos, sendo importante ferramenta em situações emergenciais, tais quais atentados ou acidentes químicos.

Em reposta a uma solicitação urgente do congresso americano, quanto à toxicidade do 2-cloro-fluorofenol (agente químico liberado em uma fábrica de Nova York), foi realizada uma análise (Q)SAR pela ATSDR (Agency for Toxic and Disease Registry), que trouxe informações de que o agente tinha potencial de sensibilização dérmica, mas sem potencial de carciongenicidade ou de toxicidade para reprodução, sendo tais resultados fornecidos ao Departamento de Estado de Nova York. 

A ATSDR tem assumido os mais recentes avanços da Toxicologia Computacional para a proteção da saúde pública, para o fornecimento de informações para a prevenção de substâncias tóxicas, incluindo agentes potencialmente utilizados em atentados e situações de guerra. Estes compostos podem provocar a morte das pessoas expostas e também injúrias, tanto físicas quanto psíquicas. A pesquisa de cunho toxicológico pela busca de novos agentes químicos de guerra prossegue e tende a se avolumar.


FONTES:
1-      ATSDR - Agency for Toxic and Disease RegistryComputational Toxicology and Methods Development Laboratory (CompTox Lab). Disponível em: <http://www.atsdr.cdc.gov/dtem/programs/comptox/index.html> acesso em 25 de novembro de 2011.

2-      CDC-Centers for Disease Control and Prevention. ATSDR Studies How Chemicals Affect Our Health.Disponível em:
<
http://www.cdc.gov/Features/Chemicals/> acesso em 25 de novembro de 2011.


Fonte: Intertox. Leia mais.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Intoxicação por pó-de-mico

Continua um mistério a causa do surto que ocorreu no mês de março no município de Apuarema, interior da Bahia. A história teve início no dia 21/03, na Escola Municipal Aurino Nery, quando diversos alunos da oitava série manifestaram sinais de prurido na sala de aula causando uma pequena aglomeração naquele estabelecimento de ensino. Cerca de oito alunos manifestaram esses sinais na sala, saíram para o pavilhão e entraram em contato com turmas vizinhas  que acabaram manifestando os sintomas de prurido e urticária. O evento ocorreu se repetiu alguns dias depois. Ao todo foram mais de 40 crianças acometidas. Algumas apresentaram cefaléia. O colégio foi fechado temporariamente pela secretaria municipal de educação. As aulas foram retomadas no dia primeiro de abril sem indícios de um novo incidente. Suspeita-se que alguém tenha introduzido no local alguma substância. Pensou-se na possibilidade de ter sido “pó-de-mico”. O “pó-de-mico” consiste em tricomas (semelhante a pêlos) que recobrem as…

Ciave alerta para aumento do risco de acidente escorpiônico e fake news

Na Bahia, em 2018, ocorreram 24.714 casos de acidente por animais peçonhentos, de acordo com o Sistema de Informação de Agravos de Notificação – Sinan, com 188 ocorrências em Salvador. Entre eles, o acidente escorpiônico predominou com 18.985 (76,8%), dos quais 47 se deram na capital.
No ano passado, o Centro de Informações Antiveneno – Ciave registrou o atendimento de 2.425 casos de escorpionismo. Já nessa primeira quinzena de janeiro, o Centro registrou 127 casos, 10% a mais que o mesmo período em 2018, com uma média de 9 ocorrências por dia.
Segundo Jucelino Nery, diretor do Ciave e coordenador estadual do Programa de Controle de Acidentes por Animais Peçonhentos, os acidentes escorpiônicos tiveram em 2018 um aumento de 22%, em relação ao ano anterior. Além do clima, o crescimento desordenado das áreas urbanas, a falta de saneamento básico, o desmatamento e o acúmulo de lixo, entulhos e restos de material de construção fazem com que os escorpiões procurem abrigo e alimento (insetos…

Águas vivas começam a aparecer em maior quantidade em Itajaí

Quem aproveitou a manhã de quarta-feira para caminhar pela areia da Praia da Atalaia em Itajaí teve que desviar de águas vivas. Os organismos marinhos surgiram aos montes e deixaram a areia coberta. Apesar de causarem preocupação aos banhistas, as encontradas ali não provocam as populares queimaduras, que na verdade são um tipo de envenenamento. De acordo com o Corpo de Bombeiros a espécie presente na Atalaia é a racostoma atlanticun, que não queima. Isso, porém, não significa que os banhistas devem ter contato com o animal marinho. Isso porque é difícil identificar se uma água viva é nociva ou não. Coordenador de praia da corporação e oceanógrafo, o soldado Daniel Ribeiro explica que só especialistas conseguem identificar quais espécies causam queimaduras e que algumas se assemelham muito as racostoma, mas queimam. Ribeiro explica que o surgimento das águas vivas perto da costa ocorre em função de uma série de fatores naturais. Um deles são as correntes marinhas que transportam os orga…