Pular para o conteúdo principal

Encontro Internacional de Farmacovigilância


A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) promoverá esta semana, entre os dias 8 e 10 de novembro, em Brasília, o IX Encontro Internacional de Farmacovigilância das Américas. O encontro conta com o apoio da Organização Pan-Americana da Saúde (Opas) e objetiva fortalecer o trabalho de farmacovigilância na região.

Este é o primeiro ano em que o Encontro Internacional de Farmacovigilância das Américas será sediado no Brasil. As últimas edições da reunião, que ocorre a cada dois anos, foram realizadas na Colômbia.

A coordenadora do Programa de Monitoramento de Medicamentos da Organização Mundial de Saúde (OMS), Shanthi Pal, e o diretor-presidente da Anvisa, Dirceu Barbano, participarão da abertura do encontro, nesta quinta-feira (8/11), às 9h00.

O Encontro está com as inscrições encerradas e todas as 450 vagas já foram preenchidas. 



PROGRAMAÇÃO

1º DIA - 08/11/2012 – MANHÃ
EIXO: GESTÃO DE RISCO E REGULAMENTAÇÃO EM FARMACOVIGILÂNCIA

08:00h – 09:00h
Recepção/Inscrição/Distribuição de Material

09:00h – 09:30h ABERTURA

Dr. Dirceu Brás Aparecido Barbano - Diretor-Presidente, Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), Brasil
Dra. Shanthi Pal - Coordenadora do Programa de Monitoramento de Medicamentos, Organização Mundial de Saúde (OMS), Genebra, Suíça
Dr. Félix Hector Rígoli - Gerente de Serviços e Sistemas de Saúde, Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS/OMS) no Brasil, Brasil
Dra. Angela Acosta - Instituto Nacional de Vigilância de Medicamentos e Alimentos (Invima), Colômbia

09:30h – 10:15h PALESTRA
Risk Management in Pharmacovigilance: Where are we and where are we heading
Dr. Saad Shakir, Diretor do Drug Safety Research Unit (DSUR), Southampton, Reino Unido
COORDENADOR: Dra. Maria Eugênia Cury, Nuvig/Anvisa, Brasil

10:15h – 10:30h DISCUSSÃO

10:30h – 10:45h COFFE BREAK

10:45h – 12:05h MESA REDONDA (20 MIN PARA CADA PALESTRANTE)
Plano de Gerenciamento de Risco e Relatório Periódico de Farmacovigilância:
a) A regulamentação e experiência européia/Alemanha - Dr. Ulrich Hagemann, ISoP Scientific Comittee, Alemanha
b) A regulamentação e experiência latino-americana/Argentina – Dra. 
Claudia Lucia Santucci, Administración Nacional de Medicamentos, Alimentos y Tecnología Médica (ANMAT), Argentinac) A regulamentação e experiência latino-americana/Colômbia - Dra. Angela Acosta, Invima, Colômbia
d) Principais avanços e desafios na perspectiva da indústria farmacêutica/Brasil - Dr. Lauro Moretto, Sindicato da Indústria de Produtos Farmacêuticos no Estado de São Paulo (Sindusfarma), São Paulo, Brasil
MODERADOR: Dr. Christophe Rérat, Coordenador da Unidade Técnica de Medicamentos, Tecnologias e Pesquisa, OPAS/OMS no Brasil, Brasil

12:05 – 12:30h DISCUSSÃO

12:30h ALMOÇO

1º DIA - 08/11/2012 – TARDE
EIXOS: GESTÃO DE RISCO E REGULAMENTAÇÃO EM FARMACOVIGILÂNCIA & NOTIFICAÇÃO

14:00h – 15:20h DEBATE (20 MIN PARA CADA CONVIDADO)
Comunicação do risco em Farmacovigilância: o que fazer para a informação chegar a quem interessa?
a) Boas práticas de comunicação em Farmacovigilância - Dr. Bruce Hugman, UMC/OMS, Uppsala Monitoring Centre, Tailândia/Suécia
b) Desafios para a comunicação efetiva em Farmacovigilância no Brasil - Dra. Mirtes Peinado, Centro de Vigilância Sanitária do Estado de São Paulo (CVS-SP), Brasil
c) O ponto de vista do usuário/paciente/consumidor - Prof. Luiz Eduardo Carvalho, Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Brasil
MODERADOR: Dra. Nelly Raquel Herrera Comoglio, Universidade Autônoma de Córdoba, Argentina

15:20h – 15:45h DISCUSSÃO

15:45h – 16:00h INTERVALO

16:00h – 17:30h PALESTRA:
O Programa de Monitoramento de Medicamentos da Organização Mundial de Saúde/Uppsala Monitoring Center (OMS/UMC)
Dra. Shanthi Pal, Coordenadora do Programa de Monitoramento de Medicamentos da OMS, Genebra, Suíça
Dra. Elki Sollenbring, UMC/OMS, Uppsala Monitoring Centre, Uppsala, Suécia
COORDENADOR: Dra. Angela Acosta, Invima, Colômbia

17:30h – 18:00h DISCUSSÃO

18:00h COQUETEL DE ABERTURA – CENTRO DE EVENTOS BRASIL 21

2º DIA - 09/11/2012 – MANHÃ
EIXOS: NOTIFICAÇÃO & DESAFIOS EM FARMACOVIGILÂNCIA

09:00h – 10:20h MESA REDONDA (20 MIN PARA CADA PALESTRANTE)
Desafios para a superação da subnotificação
a) Novas estratégias no cenário internacional: a notificação do usuário - Dra. Shanthi Pal, Coordenadora do Programa de Monitoramento de Medicamentos da OMS, Genebra, Suíça
b) A estratégia brasileira - Dra. Fernanda Simioni Gasparotto, Gerência de Farmacovigilância/Nuvig/Anvisa, Brasil
c) Por que o profissional de saúde não notifica? - Dra. Ieda Verreschi, Conselho Federal de Medicina, Brasil.
MODERADOR: Dra. Maria Eugênia Cury, Nuvig/Anvisa, Brasil

10:20h – 10:35h DISCUSSÃO

10:35h – 10:50h COFFEE BREAK

10:50h – 12:10h MESA REDONDA (20 MIN PARA CADA PALESTRANTE)
Desafios em Farmacovigilância: o uso off label
a) O peso da propaganda, da publicidade e da internet no uso off label - Profa. Lenita Wannmacher, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Brasil
b) Uso off label em pediatria - Dr. Eduardo Juán Troster, Hospital Israelista Albert Einstein, Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP), Brasil
c) Estratégias em desenvolvimento para minimizar o uso off label em crianças - Profa. Helena Lutéscia L. Coelho, Universidade Federal do Ceará (UFC), Brasil  
d) Análises do uso off label e casos específicos - Dra. Claudia Patricia Vaca González, Universidade Nacional da Colômbia/Invima, Colômbia
MODERADOR: Prof. Francisco Paumgartten, Escola Nacional de Saúde Pública/Fundação Oswaldo Cruz (ENSP/Fiocruz), Brasil

12:10h – 12:30h DISCUSSÃO

12:30h ALMOÇO

2º DIA - 09/11/2012 – TARDE
EIXO: DESAFIOS EM FARMACOVIGILÂNCIA

14:00h – 15:20h MESA REDONDA (20 MIN PARA CADA PALESTRANTE)
Desafios em Farmacovigilância: Gerenciamento de risco com medicamentos biológicos e biossimilares
a) Terapia com medicamentos biológicos e biossimilares - Dr. Ricardo Antônio Garcia, Centro Latino Americano de Pesquisa em Biológicos (CLAPBio), Brasil
b) Segurança do uso de medicamentos biológicos - Dra. Fiorella Rehbein Santos, Produtos Roche Químicos e Farmacêuticos, Brasil
c) Segurança no uso de medicamentos biossimilares - Dr. Valderilio Feijó Azevedo, Edumed Health Research, Universidade Federal do Paraná (UFPR), Brasil
MODERADOR: Dr. João Massud Filho, Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP), Brasil

15:20h – 15:45h DISCUSSÃO

15:45h – 16:00h COFFEE BREAK

16:00h – 17:30h PAINEL (15 MIN PARA CADA PALESTRANTE)
Farmacovigilância e Uso Racional de Medicamentos
a) Farmacovigilância e Uso Racional de Medicamentos - Prof. Albert Figueras, Universidade Autônoma de Barcelona, Espanha
b) Gestão da Informaçao para Uso Racional de Medicamentos e Farmacovigilância - Prof. Francisco Paumgartten, ENSP/Fiocruz, Brasil
c) Farmacovigilância na Avaliação de Tecnologias em Saúde - Dra. Helaine Carneiro Capucho, Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias em Saúde (CONITEC), Ministério da Saúde, Brasil
d) Proposta de Algoritimo para Avaliação de Falha Terapêutica - Dra. Claudia Patricia Vaca González, Universidade Nacional da Colômbia/Invima, Colômbia
MODERADOR: Dra. Claudia Patricia Vaca González, Universidade Nacional da Colômbia/Invima, Colômbia e Dr. José Luis Castro, OPAS/OMS, Washington, EUA

17:30h – 18:00h DISCUSSÃO

18:00h ENCERRAMENTO

3º DIA - 10/11/2012 – MANHÃ
EIXO: POLÍTICAS PÚBLICAS E GESTÃO EM FARMACOVIGILÂNCIA

09:00h – 10:20h MESA REDONDA (20 MIN PARA CADA PALESTRANTE):
Descentralização e Integração das ações em Farmacovigilância
a) A experiência da descentralização na Espanha - Dr. Mariano Madurga, AEMPS/EMA, Espanha
b) A experiência da descentralização na América Latina - a confirmar
c) Implantação da Farmacovigilância no Estado de São Paulo - Dr. Adalton Ribeiro, Centro de Vigilância Sanitária do Estado de São Paulo (CVS-SP), Brasil
MODERADOR: Dra. Giselle Calado, Gerência de Farmacovigilância/Nuvig/Anvisa, Brasil

10:20h – 10:35h DISCUSSÃO

10:35h – 10:50h COFFEE BREAK

10:50h – 12:05h PAINEL (15 MIN PARA CADA PALESTRANTE):
Perspectivas de trabalho em rede nas Políticas Públicas com interface em Farmacovigilância
a) Vacinação segura: uma perspectiva regional - Dr. José Mauricio Landaverde Barrientos, OPAS/OMS, Washington, EUA
b) A Rede Sentinela no Brasil - Dra. Patrícia Fernanda T. Barbosa, CVISS/Nuvig/Anvisa, Brasil
c) Experiência latino-americana/Peru - Dra. Silvia Alvarez Martell, Ministerio de la Salud, DIGEMID, Peru
d) Experiência canadense/Health Canada - Dr. Duc Vu, Health Canada, Canadá
MODERADOR: Dr. José Luis Castro, OPAS/OMS, Washington, EUA

12:05h – 12:30h DISCUSSÃO

12:30h – PREMIAÇÃO DOS TRABALHOS E ENCERRAMENTO
Dr. Dirceu Brás Aparecido Barbano - Diretor-Presidente da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), Brasil
Dra. Shanthi Pal - Coordenadora do Programa de Monitoramento de Medicamentos da Organização Mundial de Saúde (OMS), Genebra, Suíça
Dr. José Luis Castro - Assessor Regional para Uso Racional de Medicamentos, Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS/OMS), Washington, EUA
Dra. Angela Acosta - Instituto Nacional de Vigilância de Medicamentos e Alimentos (Invima), Colômbia



14:00h - 15:30h OFICINA SATÉLITE sobre Relatórios Periódicos de Farmacovigilância*

COORDENADOR: Dr. Mariano Madurga, AEMPS/EMA, Espanha; Dra. Argentina Sá, Dra. Fernanda Simioni Gasparotto e Dra. Giselle Calado, GFARM/Nuvig/Anvisa, Brasil.
* Esta atividade é restrita aos representantes dos Centros Nacionais de Monitoramento de Medicamentos dos países das Américas.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Intoxicação por pó-de-mico

Continua um mistério a causa do surto que ocorreu no mês de março no município de Apuarema, interior da Bahia. A história teve início no dia 21/03, na Escola Municipal Aurino Nery, quando diversos alunos da oitava série manifestaram sinais de prurido na sala de aula causando uma pequena aglomeração naquele estabelecimento de ensino. Cerca de oito alunos manifestaram esses sinais na sala, saíram para o pavilhão e entraram em contato com turmas vizinhas  que acabaram manifestando os sintomas de prurido e urticária. O evento ocorreu se repetiu alguns dias depois. Ao todo foram mais de 40 crianças acometidas. Algumas apresentaram cefaléia. O colégio foi fechado temporariamente pela secretaria municipal de educação. As aulas foram retomadas no dia primeiro de abril sem indícios de um novo incidente. Suspeita-se que alguém tenha introduzido no local alguma substância. Pensou-se na possibilidade de ter sido “pó-de-mico”. O “pó-de-mico” consiste em tricomas (semelhante a pêlos) que recobrem as…

Ciave alerta para aumento do risco de acidente escorpiônico e fake news

Na Bahia, em 2018, ocorreram 24.714 casos de acidente por animais peçonhentos, de acordo com o Sistema de Informação de Agravos de Notificação – Sinan, com 188 ocorrências em Salvador. Entre eles, o acidente escorpiônico predominou com 18.985 (76,8%), dos quais 47 se deram na capital.
No ano passado, o Centro de Informações Antiveneno – Ciave registrou o atendimento de 2.425 casos de escorpionismo. Já nessa primeira quinzena de janeiro, o Centro registrou 127 casos, 10% a mais que o mesmo período em 2018, com uma média de 9 ocorrências por dia.
Segundo Jucelino Nery, diretor do Ciave e coordenador estadual do Programa de Controle de Acidentes por Animais Peçonhentos, os acidentes escorpiônicos tiveram em 2018 um aumento de 22%, em relação ao ano anterior. Além do clima, o crescimento desordenado das áreas urbanas, a falta de saneamento básico, o desmatamento e o acúmulo de lixo, entulhos e restos de material de construção fazem com que os escorpiões procurem abrigo e alimento (insetos…

Águas vivas começam a aparecer em maior quantidade em Itajaí

Quem aproveitou a manhã de quarta-feira para caminhar pela areia da Praia da Atalaia em Itajaí teve que desviar de águas vivas. Os organismos marinhos surgiram aos montes e deixaram a areia coberta. Apesar de causarem preocupação aos banhistas, as encontradas ali não provocam as populares queimaduras, que na verdade são um tipo de envenenamento. De acordo com o Corpo de Bombeiros a espécie presente na Atalaia é a racostoma atlanticun, que não queima. Isso, porém, não significa que os banhistas devem ter contato com o animal marinho. Isso porque é difícil identificar se uma água viva é nociva ou não. Coordenador de praia da corporação e oceanógrafo, o soldado Daniel Ribeiro explica que só especialistas conseguem identificar quais espécies causam queimaduras e que algumas se assemelham muito as racostoma, mas queimam. Ribeiro explica que o surgimento das águas vivas perto da costa ocorre em função de uma série de fatores naturais. Um deles são as correntes marinhas que transportam os orga…