Pular para o conteúdo principal

ENFISA 2015: Seminário sobre Agrotóxicos traz assuntos atuais e relevantes para a agricultura brasileira

No dia 21 de maio, acontecerá o Seminário sobre Agrotóxicos, em Salvador/BA, que é aberto ao público, durante a programação do 13º Encontro de Fiscalização e Seminário de Agrotóxicos (ENFISA 2015). 

O Seminário terá início com a palestra de José Guilherme Tollstadius Leal, Secretário de Agricultura do Distrito Federal, com o tema “Assistência Técnica e Extensão Rural – impacto sobre o uso adequado de agrotóxicos no Brasil”, que terá como moderador o Coordenador-geral de agrotóxicos e afins do MAPA, Júlio Sérgio Britto. Nesta palestra será discutido o papel da assistência técnica na promoção do uso correto e seguro de agrotóxicos, de forma a evitar a contaminação de alimentos, a intoxicação do trabalhador e poluição do meio-ambiente. "Não se trata de promover o uso de agrotóxicos e, sim, de garantir que ao optar pelo uso dessas tecnologias, o produtor o faça de modo seguro para si, para o meio-ambiente e a população", explica Britto.

Em seguida, o diretor-presidente do Instituto Nacional de Processamento de Embalagens Vazias (InpEV), João Rando, realizará a palestra “Logística reversa de agrotóxicos impróprios”. Neste momento, será abordada uma nova resolução do CONAMA, que autoriza as unidades de recebimento de embalagens vazias a receber também embalagens contendo produtos impróprios. 

A parte da tarde começará com a mesa-redonda “Boas Práticas no Uso de Agrotóxicos”, que será moderada por Rosilene Souto (MAPA/SDC), e mostrará que a produção integrada é um sistema agrícola de produção com gestão racional dos recursos naturais e privilegiando a utilização dos mecanismos de regulação natural em substituição de fatores de produção, contribuindo, deste modo, para uma agricultura sustentável. A produção integrada procura mitigar o risco no uso de agrotóxicos, fomentando as boas práticas agrícolas. A mesa-redonda será dividida em quatro partes com os seguintes temas: “Situação atual da Produção Integrada de Frutas e Hortaliças no Brasil”, “Programa de certificação de pulverizadores”, “Armazenamento de pequenas quantidades de agrotóxicos em propriedades rurais” e "Importância das medidas legislativas como ferramenta de manejo da resistência de pragas".

Também serão apresentadas as palestras “Aproximação entre academia e órgãos regulatórios”, por Francisco Laranjeira (UFRB) e  “Indisponibilidade de produtos registrados para controle de pragas de interesse nacional - estudos de caso”, pelo Coordenador Geral de Proteção de Plantas do MAPA, Marcus Vinícius Segurado Coelho. Na palestra de Laranjeira, será abordada a necessidade de maior aproximação entre academia e regulação pois a primeira pode aportar conhecimento científico e tecnologias inovadoras no diagnóstico e controle de pragas. Já, na palestra de Coelho, será abordada a situação de algumas pragas agrícolas que, em função da falta de produtos registrados têm causado perdas expressivas ao agricultor brasileiro, tais como  a mosca-das-frutas, a broca-do-café e a ferrugem-asiática-da-soja.

O ENFISA 2015 é coordenado pelo MAPA em conjunto com a ADAB. Além disso, conta com o apoio das seguintes instituições: SBDA – Sociedade Brasileira de Defesa Agropecuária, ANDEF, Associação Nacional de Defensivos Genéricos (AENDA), Associação Nacional de Distribuidores de Insumos Agrícolas e Veterinários (ANDAV), Instituto Nacional de Processamento de Embalagens Vazias (INPEV), Sindicato Nacional da Indústria de Produtos para Defesa Vegetal (SINDIVEG), Associação Brasileira das Indústrias de Química Fina (ABIFINA), União dos Fabricantes Nacionais de Produtos Fitossanitários (UNIFITO), Associação Brasileira das Empresas de Controle Biológico (ABCBio) e CREA-BA. 

Para mais informações e realizar a sua inscrição acesse www.enfisa.net ou envie uma mensagem para eventos@defesaagropecuaria.com. O prazo para inscrições antecipadas encerra no dia 12 de maio, com valores diferenciados.

Fonte: Agropec.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Intoxicação por pó-de-mico

Continua um mistério a causa do surto que ocorreu no mês de março no município de Apuarema, interior da Bahia. A história teve início no dia 21/03, na Escola Municipal Aurino Nery, quando diversos alunos da oitava série manifestaram sinais de prurido na sala de aula causando uma pequena aglomeração naquele estabelecimento de ensino. Cerca de oito alunos manifestaram esses sinais na sala, saíram para o pavilhão e entraram em contato com turmas vizinhas  que acabaram manifestando os sintomas de prurido e urticária. O evento ocorreu se repetiu alguns dias depois. Ao todo foram mais de 40 crianças acometidas. Algumas apresentaram cefaléia. O colégio foi fechado temporariamente pela secretaria municipal de educação. As aulas foram retomadas no dia primeiro de abril sem indícios de um novo incidente. Suspeita-se que alguém tenha introduzido no local alguma substância. Pensou-se na possibilidade de ter sido “pó-de-mico”. O “pó-de-mico” consiste em tricomas (semelhante a pêlos) que recobrem as…

Ciave alerta para aumento do risco de acidente escorpiônico e fake news

Na Bahia, em 2018, ocorreram 24.714 casos de acidente por animais peçonhentos, de acordo com o Sistema de Informação de Agravos de Notificação – Sinan, com 188 ocorrências em Salvador. Entre eles, o acidente escorpiônico predominou com 18.985 (76,8%), dos quais 47 se deram na capital.
No ano passado, o Centro de Informações Antiveneno – Ciave registrou o atendimento de 2.425 casos de escorpionismo. Já nessa primeira quinzena de janeiro, o Centro registrou 127 casos, 10% a mais que o mesmo período em 2018, com uma média de 9 ocorrências por dia.
Segundo Jucelino Nery, diretor do Ciave e coordenador estadual do Programa de Controle de Acidentes por Animais Peçonhentos, os acidentes escorpiônicos tiveram em 2018 um aumento de 22%, em relação ao ano anterior. Além do clima, o crescimento desordenado das áreas urbanas, a falta de saneamento básico, o desmatamento e o acúmulo de lixo, entulhos e restos de material de construção fazem com que os escorpiões procurem abrigo e alimento (insetos…

Águas vivas começam a aparecer em maior quantidade em Itajaí

Quem aproveitou a manhã de quarta-feira para caminhar pela areia da Praia da Atalaia em Itajaí teve que desviar de águas vivas. Os organismos marinhos surgiram aos montes e deixaram a areia coberta. Apesar de causarem preocupação aos banhistas, as encontradas ali não provocam as populares queimaduras, que na verdade são um tipo de envenenamento. De acordo com o Corpo de Bombeiros a espécie presente na Atalaia é a racostoma atlanticun, que não queima. Isso, porém, não significa que os banhistas devem ter contato com o animal marinho. Isso porque é difícil identificar se uma água viva é nociva ou não. Coordenador de praia da corporação e oceanógrafo, o soldado Daniel Ribeiro explica que só especialistas conseguem identificar quais espécies causam queimaduras e que algumas se assemelham muito as racostoma, mas queimam. Ribeiro explica que o surgimento das águas vivas perto da costa ocorre em função de uma série de fatores naturais. Um deles são as correntes marinhas que transportam os orga…