Pular para o conteúdo principal

Dossiê alertando sobre o uso de agrotóxicos é lançado em Brasília com presença de ministros

Foto: Wanessa Marinho/CTA-ZM.
Dossiê Abrasco: um alerta sobre os impactos dos agrotóxicos foi lançado em Brasília no dia 16 durante o Seminário Dialoga Brasil Agroecológico. Estavam presentes no Palácio do Planalto lideranças do movimento agroecológico de todo o país e os ministros Miguel Rosseto, da Secretaria Geral da Presidência da República, e Patrus Ananias, do Desenvolvimento Agrário. Desde o ano passado a obra está sendo lançada em diversos estados.
 “Esse lançamento é significativo neste momento, porque entendemos que é mais um ato de reivindicação do lançamento imediato do Pronara (Programa Nacional de Redução do Uso de Agrotóxicos). Estamos apresentando esse grave problema em todas as suas dimensões, e os caminhos da agricultura sem agrotóxicos: temos respostas, soluções, territórios no Brasil com agroecologia para reverter essa situação triste de campeão mundial de agrotóxicos. É um ato em defesa da agroecologia, e dessa obra que tem importância para políticas públicas”, afirmou Denis Monteiro, secretário executivo da Articulação Nacional de Agroecologia (ANA).
O Dossiê está sendo lançado em todo o Brasil e os organizadores estão recebendo convites para eventos em universidades por todo o país, disse Marcelo Firpo, membro da Abrasco (Associação Brasileira de Saúde Coletiva). Para os movimentos da saúde, disse o professor da Fiocruz, a agroecologia é um exemplo contundente da promoção emancipatória da saúde.
“Nos últimos 20 anos expande-se a agroecologia, e por outro lado o Brasil se torna o país que mais consome agrotóxicos no momento em que o mundo faz o caminho reverso. É fundamental que a saúde assuma um papel central no desenvolvimento, mostrar os efeitos econômicos perversos dos impactos dos agrotóxicos. O Brasil gasta bilhões de dólares com tratamentos crônicos associados a contaminações químicas. Corremos riscos da flexibilização da regularização e controle de agrotóxicos no Brasil, abrindo mão dos critérios de saúde em nome de uma emergência econômica do agronegócio. Consideramos o Pronara absolutamente fundamental, depende dele todos os avanços que esperamos”, destacou.
O livro foi feito por muitas mãos, com a participação de Universidades, Fiocruz, Embrapa, Inca e movimentos sociais, como a Articulação Nacional de Agroecologia (ANA), explicou a pesquisadora Karen Friedrich, do Instituto Nacional de Controle de Qualidade em Saúde (INCQS/Fiocruz). Após ser dividido em quatro capítulos lançados em vários momentos, em 2014 virou um livro atualizando os estudos científicos, complementou. Segundo ela, o dossiê defende a aroecologia ea  reforma agrária como caminho para por fim aos agrotóxicos e tornar o Brasil um país mais saudável.
“Nesse processo vimos várias ações de desregulações na área dos agrotóxicos e meio ambiente. A obra evidencia contaminações e cada capítulo encera com dez proposições, como proibir os agrotóxicos banidos em outros países e a suspensão das isenções tributárias. Desde 2008 o consumo de agrotóxicos vem aumentando, 86% está em apenas seis culturas embora a pulverização área contamine outros cultivos e recursos naturais. A soja se mantém constante, mas o uso do herbicida dispara a partir do momento que liberaram suas sementes transgênicas. Diminuindo a área plantada de feijão, mandioca e arroz ao mesmo tempo do crescimento das commodities”, concluiu. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Intoxicação por pó-de-mico

Continua um mistério a causa do surto que ocorreu no mês de março no município de Apuarema, interior da Bahia. A história teve início no dia 21/03, na Escola Municipal Aurino Nery, quando diversos alunos da oitava série manifestaram sinais de prurido na sala de aula causando uma pequena aglomeração naquele estabelecimento de ensino. Cerca de oito alunos manifestaram esses sinais na sala, saíram para o pavilhão e entraram em contato com turmas vizinhas  que acabaram manifestando os sintomas de prurido e urticária. O evento ocorreu se repetiu alguns dias depois. Ao todo foram mais de 40 crianças acometidas. Algumas apresentaram cefaléia. O colégio foi fechado temporariamente pela secretaria municipal de educação. As aulas foram retomadas no dia primeiro de abril sem indícios de um novo incidente. Suspeita-se que alguém tenha introduzido no local alguma substância. Pensou-se na possibilidade de ter sido “pó-de-mico”. O “pó-de-mico” consiste em tricomas (semelhante a pêlos) que recobrem as…

Ciave alerta para aumento do risco de acidente escorpiônico e fake news

Na Bahia, em 2018, ocorreram 24.714 casos de acidente por animais peçonhentos, de acordo com o Sistema de Informação de Agravos de Notificação – Sinan, com 188 ocorrências em Salvador. Entre eles, o acidente escorpiônico predominou com 18.985 (76,8%), dos quais 47 se deram na capital.
No ano passado, o Centro de Informações Antiveneno – Ciave registrou o atendimento de 2.425 casos de escorpionismo. Já nessa primeira quinzena de janeiro, o Centro registrou 127 casos, 10% a mais que o mesmo período em 2018, com uma média de 9 ocorrências por dia.
Segundo Jucelino Nery, diretor do Ciave e coordenador estadual do Programa de Controle de Acidentes por Animais Peçonhentos, os acidentes escorpiônicos tiveram em 2018 um aumento de 22%, em relação ao ano anterior. Além do clima, o crescimento desordenado das áreas urbanas, a falta de saneamento básico, o desmatamento e o acúmulo de lixo, entulhos e restos de material de construção fazem com que os escorpiões procurem abrigo e alimento (insetos…

Águas vivas começam a aparecer em maior quantidade em Itajaí

Quem aproveitou a manhã de quarta-feira para caminhar pela areia da Praia da Atalaia em Itajaí teve que desviar de águas vivas. Os organismos marinhos surgiram aos montes e deixaram a areia coberta. Apesar de causarem preocupação aos banhistas, as encontradas ali não provocam as populares queimaduras, que na verdade são um tipo de envenenamento. De acordo com o Corpo de Bombeiros a espécie presente na Atalaia é a racostoma atlanticun, que não queima. Isso, porém, não significa que os banhistas devem ter contato com o animal marinho. Isso porque é difícil identificar se uma água viva é nociva ou não. Coordenador de praia da corporação e oceanógrafo, o soldado Daniel Ribeiro explica que só especialistas conseguem identificar quais espécies causam queimaduras e que algumas se assemelham muito as racostoma, mas queimam. Ribeiro explica que o surgimento das águas vivas perto da costa ocorre em função de uma série de fatores naturais. Um deles são as correntes marinhas que transportam os orga…