Pular para o conteúdo principal

Chumbo: técnicos da SESAB acompanham ações em Santo Amaro

Técnicos da Sesab e da Secretaria 
de Saúde de Santo Amaro.

A Secretaria da Saúde do Estado da Bahia (Sesab), através de diversos órgãos, acompanha as ações referentes à implantação do Protocolo de Vigilância e Atenção à Saúde da população exposta ao chumbo e outros metais no município de Santo Amaro, em decorrência da contaminação pelos resíduos gerados na produção de uma fábrica que funcionou, por mais de 30 anos, no município.

No dia  27/03, quarta-feira, técnicos do Centro Antiveneno (Ciave), Diretoria de Vigilância Sanitária da (Divisa), Diretoria de Vigilância Epidemiológica (Divep), Diretoria de Informação em Saúde (DIS), Diretoria de Vigilância à Saúde do Trabalhador (Divast) e Diretoria de Atenção Básica (DAB), reuniram-se em Santo Amaro-BA com a nova secretária de saúde daquele município, a Sra. Mary Rocha, e sua equipe.

Técnicos reuniram-se durante 
todo o dia.
Na reunião, discutiu-se sobre o plano de ações que visa atender às especificidades de saúde da população do Município exposta aos metais pesados (chumbo, cádmio, cobre, zinco, entre outros). Dentre os pontos abordados, estavam a capacitação dos profissionais de saúde em Toxicologia, criação do centro de referência, implantação de posto de coleta, ampliação das equipes de saúde da família, as ações já desenvolvidas pela Secretaria Municipal de Saúde, etc.

Além da secretária de saúde, estiveram presentes também os secretários Edson Muniz, da Secretaria Municipal de Agricultura, Pesca e Recursos Hídricos, e Augusto Cesar Lago, da Secretaria Municipal do Meio Ambiente e Serviços Públicos.

A reunião realizada faz parte de uma série de reuniões que o Grupo de Trabalho Setor Saúde-Santo Amaro (GTSS), da Sesab, vem realizando ao longo dos últimos meses para apoiar a implantação e implementação das ações em saúde à população exposta aos metais pesados em Santo Amaro.


A FÁBRICA

A fábrica, desativada em 1993, pertencia à Plumbum Comércio e Representações de Produtos Minerais e Industriais, antiga Companhia Brasileira de Chumbo - Cobrac (subsidiária de uma empresa francesa), e realizava o beneficiamento de minérios, além de produzir barras (lingotes) de chumbo. Os rejeitos da produção eram descartados de maneira inadequada, sendo que parte da escória ainda hoje está presente na área da antiga fábrica e outra foi utilizada na pavimentação da cidade.

Alguns estudos desenvolvidos pela Universidade Federal da Bahia (UFBA) e outras instituições nacionais e internacionais revelam que Santo Amaro é a cidade mais poluída por chumbo no mundo e com vários ecossistemas degradados.


DECISÃO DA JUSTIÇA FEDERAL

No dia 28 de fevereiro deste ano, a pedido do Ministério Público Federal na Bahia (MPF/BA) através da ação civil pública nº 2003.33.00.000238-4, a Justiça Federal determinou que a União e a Fundação Nacional de Saúde (Funasa) promovam a implantação de um Centro de Referência para tratamento de pacientes vítimas de contaminação por metais pesados, no prazo de seis meses, a fim de reparar os danos sofridos por moradores – a partir da exposição a metais como chumbo e cádmio – por causa do descarte indevido de resíduos.

No entendimento do MPF, a União e a Funasa são corresponsáveis pelos danos, já que foram omissas em relação aos problemas de saúde que acometeram 80% dos habitantes de Santo Amaro, principalmente os ex-trabalhadores da mineradora.

O local onde ela funcionava a fábrica não foi devidamente isolado, o que possibilita o acesso de pessoas e de animais na área contaminada. Para evitar que a área seja acessada, a Justiça decretou a intimação pessoal dos representantes da Plumbum para que, no prazo de 15 dias, comprovassem providências para cercar a área, colocar avisos para a população sobre o perigo de contaminação e elaborassem plano de permanência e revezamento de vigilantes na entrada da antiga fábrica. Além disso, a empresa deverá cumprir determinações que constam no relatório de inspeção, desenvolvido pelo Instituto do Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Inema) a pedido do MPF/BA, a fim de evitar que a escória contaminada se disperse.
  
Fonte: Ciave e Justiça Federal. Leia mais.

Comentários

  1. Prezados Senhores e Senhoras,

    É possível desintoxicar a população por meios bem simples, baratos e eficazes, sem efeitos colaterais com produtos naturais.
    Eu estudei livros da alemanha que comprovem isso e já estou usando produtos adequados com maior sucesso aqui no Brasil. Sou Suíço e moro em Natal/RN a 13 anos. Se tiver Interesse pode entrar em contato para maiores explicações.

    Atenciosamente
    Thomas Zahnd

    ResponderExcluir
  2. Prezado Thomas Zahnd, gostaríamos de conhecer estes recursos terapêuticos citados. Você poderia mandar-nos por e-mail (ciaveba.blog@gmail.com) informações a respeito? Ficaremos agradecidos pela colaboração.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Intoxicação por pó-de-mico

Continua um mistério a causa do surto que ocorreu no mês de março no município de Apuarema, interior da Bahia. A história teve início no dia 21/03, na Escola Municipal Aurino Nery, quando diversos alunos da oitava série manifestaram sinais de prurido na sala de aula causando uma pequena aglomeração naquele estabelecimento de ensino. Cerca de oito alunos manifestaram esses sinais na sala, saíram para o pavilhão e entraram em contato com turmas vizinhas  que acabaram manifestando os sintomas de prurido e urticária. O evento ocorreu se repetiu alguns dias depois. Ao todo foram mais de 40 crianças acometidas. Algumas apresentaram cefaléia. O colégio foi fechado temporariamente pela secretaria municipal de educação. As aulas foram retomadas no dia primeiro de abril sem indícios de um novo incidente. Suspeita-se que alguém tenha introduzido no local alguma substância. Pensou-se na possibilidade de ter sido “pó-de-mico”. O “pó-de-mico” consiste em tricomas (semelhante a pêlos) que recobrem as…

Ciave alerta para aumento do risco de acidente escorpiônico e fake news

Na Bahia, em 2018, ocorreram 24.714 casos de acidente por animais peçonhentos, de acordo com o Sistema de Informação de Agravos de Notificação – Sinan, com 188 ocorrências em Salvador. Entre eles, o acidente escorpiônico predominou com 18.985 (76,8%), dos quais 47 se deram na capital.
No ano passado, o Centro de Informações Antiveneno – Ciave registrou o atendimento de 2.425 casos de escorpionismo. Já nessa primeira quinzena de janeiro, o Centro registrou 127 casos, 10% a mais que o mesmo período em 2018, com uma média de 9 ocorrências por dia.
Segundo Jucelino Nery, diretor do Ciave e coordenador estadual do Programa de Controle de Acidentes por Animais Peçonhentos, os acidentes escorpiônicos tiveram em 2018 um aumento de 22%, em relação ao ano anterior. Além do clima, o crescimento desordenado das áreas urbanas, a falta de saneamento básico, o desmatamento e o acúmulo de lixo, entulhos e restos de material de construção fazem com que os escorpiões procurem abrigo e alimento (insetos…

Águas vivas começam a aparecer em maior quantidade em Itajaí

Quem aproveitou a manhã de quarta-feira para caminhar pela areia da Praia da Atalaia em Itajaí teve que desviar de águas vivas. Os organismos marinhos surgiram aos montes e deixaram a areia coberta. Apesar de causarem preocupação aos banhistas, as encontradas ali não provocam as populares queimaduras, que na verdade são um tipo de envenenamento. De acordo com o Corpo de Bombeiros a espécie presente na Atalaia é a racostoma atlanticun, que não queima. Isso, porém, não significa que os banhistas devem ter contato com o animal marinho. Isso porque é difícil identificar se uma água viva é nociva ou não. Coordenador de praia da corporação e oceanógrafo, o soldado Daniel Ribeiro explica que só especialistas conseguem identificar quais espécies causam queimaduras e que algumas se assemelham muito as racostoma, mas queimam. Ribeiro explica que o surgimento das águas vivas perto da costa ocorre em função de uma série de fatores naturais. Um deles são as correntes marinhas que transportam os orga…