Pular para o conteúdo principal

Mudanças na Revista Brasileira de Toxicologia


Após 24 anos de publicação, a Revista Brasileira de Toxicologia - revista oficial da Sociedade Brasileira de Toxicologia (SBTox) - deixa de circular sob a forma impressa. A partir de agora, passará a ter formato eletrônico e se chamará Applied Research in Toxicology. A mudança no nome tem o objetivo de facilitar a internacionalização de suas publicações.
Segundo Silvia Berlanga de Moraes Barros, atual editora-chefe da Revista, “estas modificações só foram possíveis com a ajuda incansável dos editores associados, merecendo destaque a Profa. Gisela de Aragão Umbuzeiro que nos trouxe a ideia e que colaborou com o desenho da nova formatação. Mais recentemente o Prof. Daniel Junqueira Dorta, atual vice-presidente da Sociedade, assumiu a responsabilidade de organizar a revista e será o novo Editor Chefe.
A editora-chefe ressalta ainda que a nova revista será totalmente eletrônica e foi acolhida pela Associação Brasileira de Centros de Informação Toxicológica e Toxicologistas Clínicos (ABRACIT) como sua revista oficial. O periódico também conta com o apoio da Sociedade Brasileira de Mutagênese, Carcinogênese e Teratogênese Ambiental. O novo corpo editorial foi composto por pesquisadores das áreas que envolvem as sociedades parceiras.

De acordo com Silvia Berlanga, o escopo da revista, além de trabalhos de ciência fundamental, será publicar trabalhos aplicados que, apesar de boa qualidade, muitas vezes não são aceitos por revistas internacionais em função do seu caráter regional.
Os interessados já podem submeter seus artigos, que deverão ser redigidos em inglês, à revista para publicação através do e-mail appliedresearchtoxicol@sbtox.org.br, sendo que antes de submetê-los deverão consultar o GUIA DE AUTORES, que encontra-se disponível no endereço http://www.sbtox.org.br/pdf/Guide_for_Authors.pdf.
Fonte: SBTox. Leia mais.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Intoxicação por pó-de-mico

Continua um mistério a causa do surto que ocorreu no mês de março no município de Apuarema, interior da Bahia. A história teve início no dia 21/03, na Escola Municipal Aurino Nery, quando diversos alunos da oitava série manifestaram sinais de prurido na sala de aula causando uma pequena aglomeração naquele estabelecimento de ensino. Cerca de oito alunos manifestaram esses sinais na sala, saíram para o pavilhão e entraram em contato com turmas vizinhas  que acabaram manifestando os sintomas de prurido e urticária. O evento ocorreu se repetiu alguns dias depois. Ao todo foram mais de 40 crianças acometidas. Algumas apresentaram cefaléia. O colégio foi fechado temporariamente pela secretaria municipal de educação. As aulas foram retomadas no dia primeiro de abril sem indícios de um novo incidente. Suspeita-se que alguém tenha introduzido no local alguma substância. Pensou-se na possibilidade de ter sido “pó-de-mico”. O “pó-de-mico” consiste em tricomas (semelhante a pêlos) que recobrem as…

Ciave alerta para aumento do risco de acidente escorpiônico e fake news

Na Bahia, em 2018, ocorreram 24.714 casos de acidente por animais peçonhentos, de acordo com o Sistema de Informação de Agravos de Notificação – Sinan, com 188 ocorrências em Salvador. Entre eles, o acidente escorpiônico predominou com 18.985 (76,8%), dos quais 47 se deram na capital.
No ano passado, o Centro de Informações Antiveneno – Ciave registrou o atendimento de 2.425 casos de escorpionismo. Já nessa primeira quinzena de janeiro, o Centro registrou 127 casos, 10% a mais que o mesmo período em 2018, com uma média de 9 ocorrências por dia.
Segundo Jucelino Nery, diretor do Ciave e coordenador estadual do Programa de Controle de Acidentes por Animais Peçonhentos, os acidentes escorpiônicos tiveram em 2018 um aumento de 22%, em relação ao ano anterior. Além do clima, o crescimento desordenado das áreas urbanas, a falta de saneamento básico, o desmatamento e o acúmulo de lixo, entulhos e restos de material de construção fazem com que os escorpiões procurem abrigo e alimento (insetos…

Águas vivas começam a aparecer em maior quantidade em Itajaí

Quem aproveitou a manhã de quarta-feira para caminhar pela areia da Praia da Atalaia em Itajaí teve que desviar de águas vivas. Os organismos marinhos surgiram aos montes e deixaram a areia coberta. Apesar de causarem preocupação aos banhistas, as encontradas ali não provocam as populares queimaduras, que na verdade são um tipo de envenenamento. De acordo com o Corpo de Bombeiros a espécie presente na Atalaia é a racostoma atlanticun, que não queima. Isso, porém, não significa que os banhistas devem ter contato com o animal marinho. Isso porque é difícil identificar se uma água viva é nociva ou não. Coordenador de praia da corporação e oceanógrafo, o soldado Daniel Ribeiro explica que só especialistas conseguem identificar quais espécies causam queimaduras e que algumas se assemelham muito as racostoma, mas queimam. Ribeiro explica que o surgimento das águas vivas perto da costa ocorre em função de uma série de fatores naturais. Um deles são as correntes marinhas que transportam os orga…