Pular para o conteúdo principal

Secretaria de saúde do Pará lança aplicativo para smartphone sobre manejo clínico de acidentes com animais peçonhentos

A Secretaria de Estado de Saúde Pública do Pará (Sespa) e o Centro de Informações Toxicológicas (CIT-Belém) lançaram no dia 26/08 um aplicativo móvel para smartphone sobre Manejo Clínico de Acidentes por Animais Peçonhentos. A novidade foi desenvolvida pela equipe do Núcleo de Tecnologia da Informação e Informática em Saúde (NTIIS) da Sespa no intuito de facilitar o acesso dos profissionais de saúde às orientações para o atendimento adequado e imediato às vítimas desse tipo de ocorrência, uma vez que o conteúdo completo pode ser baixado para o celular e ficar sempre disponível ao profissional em qualquer parte do mundo.
O funcionamento do aplicativo se consolida com os serviços prestados pelo CIT-Belém, que funciona por tempo integral (24 horas) no 5º andar do Hospital Barros Barreto, em parceria com a Secretaria Municipal de Saúde, e tem a finalidade de prestar informações e orientações aos profissionais da área de saúde e ao público em geral, via telefone, sobre como proceder no atendimento de pessoas ou animais intoxicados por plantas, drogas, produtos químicos ou animais peçonhentos.
Na cerimônia de lançamento do aplicativo, ocorrida no Hospital Universitário João de Barros Barreto (HUJBB), o secretário de Estado de Saúde Pública, Helio Franco, lembrou que ferramentas de divulgação desenvolvidas por profissionais da informática, como os aplicativos, são uma tendência bem vinda, que favorecem informações qualificadas ao profissional de saúde, garantindo soluções eficazes para os problemas encontrados no seu dia a dia, sobretudo se estiver em locais de difícil acesso no estado. Para a diretora de Vigilância em Saúde da Sespa, Roseana Nobre, a mobilidade a serviço de melhor acolher a vítima desse tipo de agravo, assim como qualquer outro, é uma tendência inevitável. “Para uma região como a nossa, com muito verde e floresta, esse tipo de aplicativo é fundamental”.
Na ocasião, o coordenador do CIT-Belém, Pedro Pardal, relembrou a boa vontade que envolveu a criação do aplicativo, que foi apresentado ao secretário Helio Franco para que a Sespa pudesse viabilizar a iniciativa. O projeto apresentado exigia um investimento de R$ 18 mil, que deveriam ser pagos a uma empresa de tecnologia. Em vez disso, o titular da Sespa decidiu encaminhá-lo ao NTIIS, cuja equipe concluiu que os próprios profissionais do Núcleo poderiam desenvolver o aplicativo sem nenhum ônus financeiro para o estado.
“Devo dizer que esses rapazes da informática foram de uma competência impressionante. Por algumas semanas estivemos juntos, trabalhando, revisando os tópicos do aplicativo e foi muito bom pra mim que, depois de 40 anos como médico, pude estar mais perto dos inúmeros benefícios que esse tipo de tecnologia pode trazer”, declarou Pedro Pardal, diante uma platéia formada por colegas de trabalho, profissionais da Sespa e estudantes de Medicina.
O aplicativo foi desenvolvido pelos analistas de sistema Ivo César Alencar e Luiz Fernando Covre, que, utilizando tecnologia de codificação web, adaptaram o conteúdo sobre Manejo Clínico de Acidentes por Animais Peçonhentos para a linguagem de internet, permitindo que ele possa ser baixado para smartphones e ser acessado em qualquer lugar do mundo. “No Brasil, é o primeiro aplicativo voltado para a saúde pública desenvolvido para smarthphones. Creio que vamos servir de exemplo, porque esse tipo de tecnologia me parecer ser bem interessante ao profissional de saúde. É como se levasse o conteúdo desse manual já lançado em livro dentro do telefone”, explica Roberto Amanajás, coordenador do Ntiis da Sespa.
Durante a cerimônia de lançamento, um dos criadores do aplicativo, Luiz Fernando Covre, lembrou que ele está disponível no site da Sespa e só pode ser baixado do Google Play para smartphones que dispõem de sistema Android. No entanto, a Sespa já está solicitando licença para que o aplicativo também possa ser baixado para Iphones. A partir dessa experiência, o NTIIS deu imediatamente andamento a outros aplicativos importantes, estando em fase de conclusão um sobre DST/Aids, Dengue e Sífilis, e mais adiante um sobre leishmaniose.
Número de casos
Os acidentes por animais peçonhentos são um problema de saúde pública e o atendimento imediato é fundamental para a sobrevivência das vítimas e redução de possíveis sequelas. Em 2012, foram notificados 7.404 acidentes por animais peçonhentos no Pará, sendo 4.839 (65,36%) por serpentes, 1,821 (24,59%) por escorpião, 342 (4,62%) por aranha, 83 (1,12%) por abelha, 24 (0,32%) por lagarta e 238 (3,21%) por outros animais. Já em 2013, foram notificados até o momento 4.119 acidentes por animais peçonhentos, sendo 2.889 (70,14%) por serpente, 867 (21,05%) por escorpião, 175 (4,25%) por aranha, 66 (1,60%) por abelha, 15 (0,36%) por lagarta e 81 (1,97%) por outros animais peçonhentos.
O CIT funciona 24h e atende pelos fones 0880 722 6001 / 3249-6370 / 3259-3748 ou http://citpabelem.webnode.com/. O aplicativo pode ser baixado pelo Google Play e pelo site da Sespa, pelo seguinte atalho: 
http://www.saude.pa.gov.br/images/downloads/Administrativos/animais_peconhentos.apk
Fonte: SESPA. Leia mais.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Intoxicação por pó-de-mico

Continua um mistério a causa do surto que ocorreu no mês de março no município de Apuarema, interior da Bahia. A história teve início no dia 21/03, na Escola Municipal Aurino Nery, quando diversos alunos da oitava série manifestaram sinais de prurido na sala de aula causando uma pequena aglomeração naquele estabelecimento de ensino. Cerca de oito alunos manifestaram esses sinais na sala, saíram para o pavilhão e entraram em contato com turmas vizinhas  que acabaram manifestando os sintomas de prurido e urticária. O evento ocorreu se repetiu alguns dias depois. Ao todo foram mais de 40 crianças acometidas. Algumas apresentaram cefaléia. O colégio foi fechado temporariamente pela secretaria municipal de educação. As aulas foram retomadas no dia primeiro de abril sem indícios de um novo incidente. Suspeita-se que alguém tenha introduzido no local alguma substância. Pensou-se na possibilidade de ter sido “pó-de-mico”. O “pó-de-mico” consiste em tricomas (semelhante a pêlos) que recobrem as…

Ciave alerta para aumento do risco de acidente escorpiônico e fake news

Na Bahia, em 2018, ocorreram 24.714 casos de acidente por animais peçonhentos, de acordo com o Sistema de Informação de Agravos de Notificação – Sinan, com 188 ocorrências em Salvador. Entre eles, o acidente escorpiônico predominou com 18.985 (76,8%), dos quais 47 se deram na capital.
No ano passado, o Centro de Informações Antiveneno – Ciave registrou o atendimento de 2.425 casos de escorpionismo. Já nessa primeira quinzena de janeiro, o Centro registrou 127 casos, 10% a mais que o mesmo período em 2018, com uma média de 9 ocorrências por dia.
Segundo Jucelino Nery, diretor do Ciave e coordenador estadual do Programa de Controle de Acidentes por Animais Peçonhentos, os acidentes escorpiônicos tiveram em 2018 um aumento de 22%, em relação ao ano anterior. Além do clima, o crescimento desordenado das áreas urbanas, a falta de saneamento básico, o desmatamento e o acúmulo de lixo, entulhos e restos de material de construção fazem com que os escorpiões procurem abrigo e alimento (insetos…

Águas vivas começam a aparecer em maior quantidade em Itajaí

Quem aproveitou a manhã de quarta-feira para caminhar pela areia da Praia da Atalaia em Itajaí teve que desviar de águas vivas. Os organismos marinhos surgiram aos montes e deixaram a areia coberta. Apesar de causarem preocupação aos banhistas, as encontradas ali não provocam as populares queimaduras, que na verdade são um tipo de envenenamento. De acordo com o Corpo de Bombeiros a espécie presente na Atalaia é a racostoma atlanticun, que não queima. Isso, porém, não significa que os banhistas devem ter contato com o animal marinho. Isso porque é difícil identificar se uma água viva é nociva ou não. Coordenador de praia da corporação e oceanógrafo, o soldado Daniel Ribeiro explica que só especialistas conseguem identificar quais espécies causam queimaduras e que algumas se assemelham muito as racostoma, mas queimam. Ribeiro explica que o surgimento das águas vivas perto da costa ocorre em função de uma série de fatores naturais. Um deles são as correntes marinhas que transportam os orga…