Pular para o conteúdo principal

Produtores são orientados a prevenir doença causada pelo cultivo do fumo

Foto: paranaagronegocio.blogspot.com
O início da colheita do fumo se aproxima e aumenta a preocupação com os casos de intoxicação dos agricultores por nicotina. Com vestimenta apropriada é possível evitar o problema.
A doença da folha verde do tabaco foi oficialmente registrada no Brasil pela primeira vez em 2007, na região fumageira de Arapiraca, em Alagoas. Em 2008 foram identificados casos na região central do Rio Grande do Sul.
A doença é causada por uma intoxicação e atinge os produtores que trabalham na colheita. Os sintomas são dor de cabeça, tontura, vômito, fraqueza e dor abdominal. O médico Jordel Alves é um dos especialistas sobre o assunto no Brasil e explica que a intoxicação acontece por meio da absorção da nicotina presente na folha do tabaco, que tem uma concentração maior.
Mesmo quando não há orvalho, nem chuva, há risco de contaminação porque a colheita acontece nos meses entre a primavera e o verão. Os dias quentes facilitam a transpiração e aí, se o suor entrar em contato com o tabaco, há liberação de nicotina.
Oladi Lúcio Schreder tem uma propriedade de 15 hectares em Vale do Sol, região central do Rio Grande do Sul. Ele não esquece do dia em que a mulher e os filhos ficaram doentes. “Ele sentia ânsia de vômito, tontura, diarreia e tinha pouco apetite”, diz.
Para evitar a doença, Oladi agora usa uma vestimenta que é o único método que impede a intoxicação. A roupa tem calça, blusa, luvas e botas. Todo o material é impermeável, para impedir que a nicotina entre em contato com a pele e a cor é um verde bem claro, para não ficar muito quente para o produtor na hora de fazer a colheita.
Devido aos altos índices da doença, o Sindicato das Indústrias do Tabaco está fazendo um trabalho de conscientização. Eles levam as roupas até as propriedades, que são vendidas a preço de custo, cerca de R$ 25, e também explicam para os produtores a importância de vestir todas as peças.
O uso da roupa de colheita ainda não é obrigatório por lei, mas Oladi já comprou 12 unidades e não deve tirar o uniforme até terminar de colher todo o fumo que está na lavoura. “Tem que usar porque é preventivo, para não adoecer e acontecer o mal estar. Na minha opinião tem que usar, queira ou não queira”, diz.
Fonte: Globo Rural.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Intoxicação por pó-de-mico

Continua um mistério a causa do surto que ocorreu no mês de março no município de Apuarema, interior da Bahia. A história teve início no dia 21/03, na Escola Municipal Aurino Nery, quando diversos alunos da oitava série manifestaram sinais de prurido na sala de aula causando uma pequena aglomeração naquele estabelecimento de ensino. Cerca de oito alunos manifestaram esses sinais na sala, saíram para o pavilhão e entraram em contato com turmas vizinhas  que acabaram manifestando os sintomas de prurido e urticária. O evento ocorreu se repetiu alguns dias depois. Ao todo foram mais de 40 crianças acometidas. Algumas apresentaram cefaléia. O colégio foi fechado temporariamente pela secretaria municipal de educação. As aulas foram retomadas no dia primeiro de abril sem indícios de um novo incidente. Suspeita-se que alguém tenha introduzido no local alguma substância. Pensou-se na possibilidade de ter sido “pó-de-mico”. O “pó-de-mico” consiste em tricomas (semelhante a pêlos) que recobrem as…

Ciave alerta para aumento do risco de acidente escorpiônico e fake news

Na Bahia, em 2018, ocorreram 24.714 casos de acidente por animais peçonhentos, de acordo com o Sistema de Informação de Agravos de Notificação – Sinan, com 188 ocorrências em Salvador. Entre eles, o acidente escorpiônico predominou com 18.985 (76,8%), dos quais 47 se deram na capital.
No ano passado, o Centro de Informações Antiveneno – Ciave registrou o atendimento de 2.425 casos de escorpionismo. Já nessa primeira quinzena de janeiro, o Centro registrou 127 casos, 10% a mais que o mesmo período em 2018, com uma média de 9 ocorrências por dia.
Segundo Jucelino Nery, diretor do Ciave e coordenador estadual do Programa de Controle de Acidentes por Animais Peçonhentos, os acidentes escorpiônicos tiveram em 2018 um aumento de 22%, em relação ao ano anterior. Além do clima, o crescimento desordenado das áreas urbanas, a falta de saneamento básico, o desmatamento e o acúmulo de lixo, entulhos e restos de material de construção fazem com que os escorpiões procurem abrigo e alimento (insetos…

Águas vivas começam a aparecer em maior quantidade em Itajaí

Quem aproveitou a manhã de quarta-feira para caminhar pela areia da Praia da Atalaia em Itajaí teve que desviar de águas vivas. Os organismos marinhos surgiram aos montes e deixaram a areia coberta. Apesar de causarem preocupação aos banhistas, as encontradas ali não provocam as populares queimaduras, que na verdade são um tipo de envenenamento. De acordo com o Corpo de Bombeiros a espécie presente na Atalaia é a racostoma atlanticun, que não queima. Isso, porém, não significa que os banhistas devem ter contato com o animal marinho. Isso porque é difícil identificar se uma água viva é nociva ou não. Coordenador de praia da corporação e oceanógrafo, o soldado Daniel Ribeiro explica que só especialistas conseguem identificar quais espécies causam queimaduras e que algumas se assemelham muito as racostoma, mas queimam. Ribeiro explica que o surgimento das águas vivas perto da costa ocorre em função de uma série de fatores naturais. Um deles são as correntes marinhas que transportam os orga…