Pular para o conteúdo principal

Exames confirmam que silagem de milho provocou intoxicação e que botulismo matou 1,1 mil cabeças de gado em MS

Resultados de exames divulgados nesta sexta-feira (11) pela Agência Estadual de Defesa Sanitária Animal e Vegetal de Mato Grosso do Sul (Iagro) e a Superintendência Federal de Agricultura no estado (SFA/MS), confirmaram a suspeita de que o botulismo provou a morte de 1,1 mil cabeças de gado entre os dias 2 e 4 de agosto no confinamento Marca 7 Pecuária, na fazenda Monica Cristina, no município de Ribas do Rio Pardo, a cerca de 45 quilômetros de Campo Grande.

Segundo nota técnica dos órgãos, exames das amostras da silagem de milho úmida que era fornecida aos animais demonstraram a presença das toxinas botulínicas tipo C e D, o que confirmou a suspeita inicial do setor de Patologia Veterinária da Universidade Federal do Mato Grosso do Sul (UFMS).

A nota aponta que a a presença destas toxinas no alimento dos animais, somada à investigação clínico-epidemiológica realizada na propriedade rural, “permite a conclusão do caso com o diagnóstico de botulismo”.

Os órgãos ressaltam que o botulismo não é uma doença infecto-contagiosa, mas sim uma intoxicação alimentar. “Clostridium botulinum, bactéria produtora da toxina, está normalmente presente no ambiente e depende de condições favoráveis para o seu desenvolvimento, tais como matéria orgânica, alta umidade e anaerobiose, o que pode ser evitado com boas práticas e cuidados na formulação, conservação e armazenamento dos alimentos a serem fornecidos aos animais”, destaca o texto.

O diretor-presidente da Iagro, Luciano Chiochetta, disse ao G1 no início da semana que as mortes começaram a ocorrer na quarta-feira passada (2) e que na sexta-feira (4) o proprietário comunicou ao órgão, que enviou uma equipe até o local.

Chiochetta destacou que desde o início da investigação sobre as mortes a suspeita era de intoxicação por toxina botulínica, em razão dos sintomas que os animais apresentavam quando estavam morrendo como: andar cambaleante e paralisia dos membros posteriores e depois dos inferiores até que ficavam deitados no chão. Depois o quadro se agravava com a paralisia total e parada cardiorrespiratória.

Ressaltou ainda que os indícios já apontavam para que a contaminação tivesse ocorrido com a ingestação de silagem úmida de milho, que estava embolorada, o que oferecia as condições mais propícias a proliferação da bactéria que causa o botulismo.

“Outro tipo de silagem, a seca também de milho, foi oferecida além do gado a outros animais que não apresentaram sintomas da intoxicação. Além disso, logo que foi suspensa a alimentação dos animais com a ração úmida, as mortes terminaram, mas seguimos monitorando”, explicou no início da semana ao G1.

Os animais mortos foram enterrados em valas de 4 metros abertas em uma área elevada da própria propriedade.

Rebanho

Ribas do Rio Pardo, segundo a pesquisa Produção da Pecuária Municipal (PPM) divulgada no ano passado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), tem o terceiro maior rebanho bovino entre os municípios do país, com 1.101.726 cabeças. Mato Grosso do Sul tem o quarto entre os estados brasileiros.

Posição da empresa

O criador Persio Ailton Tosi divulgou no fim na terça-feira uma nota onde aponta que todos os animais da propriedade, especialmente, os do confinamento já tinham sido vacinados, atendendo em obediência ao que recomenda o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), e que logo que começaram a ocorrer as mortes de animais, foi acionada a UFMS e a Iagro e que todas as providências pertinentes foram tomadas, sendo um caso isolado, que não demanda uma preocupação com doença desconhecida ou epidemia.

O criador destacou ainda que a empresa trabalha há 42 anos na atividade pecuária e que possui cinco fazendas, assistidas por três médicos veterinários, responsáveis pela nutrição e reprodução de todo rebanho. Ressaltou ainda que logo que as mortes dos animais começaram a ocorrer que foram requisitados pesquisadores da UFMS, que coletaram amostras de materiais para a identificação das causas da ocorrência.

Confira a íntegra da nota técnica:


Fonte: O Correio News.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Intoxicação por pó-de-mico

Continua um mistério a causa do surto que ocorreu no mês de março no município de Apuarema, interior da Bahia. A história teve início no dia 21/03, na Escola Municipal Aurino Nery, quando diversos alunos da oitava série manifestaram sinais de prurido na sala de aula causando uma pequena aglomeração naquele estabelecimento de ensino. Cerca de oito alunos manifestaram esses sinais na sala, saíram para o pavilhão e entraram em contato com turmas vizinhas  que acabaram manifestando os sintomas de prurido e urticária. O evento ocorreu se repetiu alguns dias depois. Ao todo foram mais de 40 crianças acometidas. Algumas apresentaram cefaléia. O colégio foi fechado temporariamente pela secretaria municipal de educação. As aulas foram retomadas no dia primeiro de abril sem indícios de um novo incidente. Suspeita-se que alguém tenha introduzido no local alguma substância. Pensou-se na possibilidade de ter sido “pó-de-mico”. O “pó-de-mico” consiste em tricomas (semelhante a pêlos) que recobrem as…

Ciave alerta para aumento do risco de acidente escorpiônico e fake news

Na Bahia, em 2018, ocorreram 24.714 casos de acidente por animais peçonhentos, de acordo com o Sistema de Informação de Agravos de Notificação – Sinan, com 188 ocorrências em Salvador. Entre eles, o acidente escorpiônico predominou com 18.985 (76,8%), dos quais 47 se deram na capital.
No ano passado, o Centro de Informações Antiveneno – Ciave registrou o atendimento de 2.425 casos de escorpionismo. Já nessa primeira quinzena de janeiro, o Centro registrou 127 casos, 10% a mais que o mesmo período em 2018, com uma média de 9 ocorrências por dia.
Segundo Jucelino Nery, diretor do Ciave e coordenador estadual do Programa de Controle de Acidentes por Animais Peçonhentos, os acidentes escorpiônicos tiveram em 2018 um aumento de 22%, em relação ao ano anterior. Além do clima, o crescimento desordenado das áreas urbanas, a falta de saneamento básico, o desmatamento e o acúmulo de lixo, entulhos e restos de material de construção fazem com que os escorpiões procurem abrigo e alimento (insetos…

Águas vivas começam a aparecer em maior quantidade em Itajaí

Quem aproveitou a manhã de quarta-feira para caminhar pela areia da Praia da Atalaia em Itajaí teve que desviar de águas vivas. Os organismos marinhos surgiram aos montes e deixaram a areia coberta. Apesar de causarem preocupação aos banhistas, as encontradas ali não provocam as populares queimaduras, que na verdade são um tipo de envenenamento. De acordo com o Corpo de Bombeiros a espécie presente na Atalaia é a racostoma atlanticun, que não queima. Isso, porém, não significa que os banhistas devem ter contato com o animal marinho. Isso porque é difícil identificar se uma água viva é nociva ou não. Coordenador de praia da corporação e oceanógrafo, o soldado Daniel Ribeiro explica que só especialistas conseguem identificar quais espécies causam queimaduras e que algumas se assemelham muito as racostoma, mas queimam. Ribeiro explica que o surgimento das águas vivas perto da costa ocorre em função de uma série de fatores naturais. Um deles são as correntes marinhas que transportam os orga…