Pular para o conteúdo principal

Prática Perigosa de Mistura de Energéticos com Álcool

A prática cada vez mais comum de associação de bebidas alcoólicas e energéticas é bastante perigosa para jovens e adolescentes.

Em artigo publicado em novembro no American Journal of Preventive Medicine , Dr. Howland e colegas destacaram o escopo do problema das bebidas alcoólicas e cafeinadas, sugerindo áreas de investigação que podem ajudar a resolver a questão.

A raiz do problema da cafeína de bebidas alcoólicas pode ter começado com a mania de bebida energética. "O mercado de bebidas energéticas é uma indústria multibilionária que atinge adolescentes e jovens adultos", afirmam os autores.

Como resultado da "agressiva e inovadora" tática de marketing voltada para os jovens, é atualmente estimado que 31% dos adolescentes e jovens e até 51% dos adultos jovens de 18-21 anos de idade consumam regularmente bebidas energéticas.

Um levantamento entre adolescentes, nos Estados Unidos, encontrou que 76% usam bebidas energéticas para aumentar a energia e atenção. Outra pesquisa de estudantes universitários mostrou que 67% usam bebidas energéticas devido à falta de sono, 65% utilizam para obter energia e 54% as ingerem com álcool quando há festa. Dezessete por cento dos entrevistados disseram que usam bebidas energéticas para combater a ressaca, apesar de qualquer evidência de que a prática funcione.

Dependendo da marca, as bebidas energéticas contêm estimulantes diversos, principalmente a cafeína, mas também guaraná, taurina, açúcar e derivados. Das 577 bebidas cafeinadas listadas no site Energy Fiend (EUA) em 2008, pelo menos 130 continham mais do que o limite de 0,02% de cafeína permitido pela FDA, segundo os investigadores.

A combinação de bebidas energéticas com álcool se tornou popular quando os comerciantes alimentaram a idéia de que as bebidas energéticas neutralizam os efeitos sedativos do álcool e do prejuízo relacionado, permitindo aos indivíduos continuar a beber mais.

"Embora evidências continuam a mostrar que ingerir bebidas alcoólicas e cafeinadas é um negócio arriscado, até o momento, as conseqüências à saúde não são bem compreendidas", diz Dr. Howland.

No artigo, os pesquisadores citam um estudo que descobriu que freqüentadores de um bar que consumiram bebidas cafeinadas alcoólicas foram três vezes mais propensos a deixarem o bar altamente embriagados em comparação com aqueles que consumiam álcool sem cafeína. Eles também foram quatro vezes mais propensos a dizer que pretendiam pegar o volante depois de sair do bar.

Outro estudo descobriu que os estudantes que consumiram bebidas alcoólicas e cafeinadas tinham aproximadamente o dobro do risco de sofrer ou cometer agressão sexual, andar com um motorista embriagado, ter um acidente relacionados com o álcool ou necessitar de atendimento médico.

Mas, apesar dos estudos descritivos que revelam os efeitos nocivos do álcool e da associação entre bebidas alcoólicas e cafeinadas, “pouco se sabe sobre os mecanismos subjacentes a estes riscos", disse o Dr. Howland.

Ele enfatiza que não tem conhecimento de quaisquer estudos que tenham sido conduzidos para este olhar. "Existem várias hipóteses que são perfeitamente razoáveis, mas elas não foram testadas": "será que ingerir bebida alcoólica com cafeína significa que você bebe mais porque a cafeína pára a sensação de sonolência ou as conseqüências fisiológicas habituais do álcool?”

"É razoável pensar que a cafeína o mantêm mais alerta e distorce a sua percepção de quanto você está intoxicados e então você bebe mais, mas nós realmente não sabemos e devemos fazer a pesquisa para descobrir", disse o Dr. Howland.

Ele acrescentou que seu grupo de pesquisa está buscando financiamento para realizar estudos para responder a muitas destas perguntas.



Fonte: Medscape. Leia mais.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Intoxicação por pó-de-mico

Continua um mistério a causa do surto que ocorreu no mês de março no município de Apuarema, interior da Bahia. A história teve início no dia 21/03, na Escola Municipal Aurino Nery, quando diversos alunos da oitava série manifestaram sinais de prurido na sala de aula causando uma pequena aglomeração naquele estabelecimento de ensino. Cerca de oito alunos manifestaram esses sinais na sala, saíram para o pavilhão e entraram em contato com turmas vizinhas  que acabaram manifestando os sintomas de prurido e urticária. O evento ocorreu se repetiu alguns dias depois. Ao todo foram mais de 40 crianças acometidas. Algumas apresentaram cefaléia. O colégio foi fechado temporariamente pela secretaria municipal de educação. As aulas foram retomadas no dia primeiro de abril sem indícios de um novo incidente. Suspeita-se que alguém tenha introduzido no local alguma substância. Pensou-se na possibilidade de ter sido “pó-de-mico”. O “pó-de-mico” consiste em tricomas (semelhante a pêlos) que recobrem as…

Ciave alerta para aumento do risco de acidente escorpiônico e fake news

Na Bahia, em 2018, ocorreram 24.714 casos de acidente por animais peçonhentos, de acordo com o Sistema de Informação de Agravos de Notificação – Sinan, com 188 ocorrências em Salvador. Entre eles, o acidente escorpiônico predominou com 18.985 (76,8%), dos quais 47 se deram na capital.
No ano passado, o Centro de Informações Antiveneno – Ciave registrou o atendimento de 2.425 casos de escorpionismo. Já nessa primeira quinzena de janeiro, o Centro registrou 127 casos, 10% a mais que o mesmo período em 2018, com uma média de 9 ocorrências por dia.
Segundo Jucelino Nery, diretor do Ciave e coordenador estadual do Programa de Controle de Acidentes por Animais Peçonhentos, os acidentes escorpiônicos tiveram em 2018 um aumento de 22%, em relação ao ano anterior. Além do clima, o crescimento desordenado das áreas urbanas, a falta de saneamento básico, o desmatamento e o acúmulo de lixo, entulhos e restos de material de construção fazem com que os escorpiões procurem abrigo e alimento (insetos…

Águas vivas começam a aparecer em maior quantidade em Itajaí

Quem aproveitou a manhã de quarta-feira para caminhar pela areia da Praia da Atalaia em Itajaí teve que desviar de águas vivas. Os organismos marinhos surgiram aos montes e deixaram a areia coberta. Apesar de causarem preocupação aos banhistas, as encontradas ali não provocam as populares queimaduras, que na verdade são um tipo de envenenamento. De acordo com o Corpo de Bombeiros a espécie presente na Atalaia é a racostoma atlanticun, que não queima. Isso, porém, não significa que os banhistas devem ter contato com o animal marinho. Isso porque é difícil identificar se uma água viva é nociva ou não. Coordenador de praia da corporação e oceanógrafo, o soldado Daniel Ribeiro explica que só especialistas conseguem identificar quais espécies causam queimaduras e que algumas se assemelham muito as racostoma, mas queimam. Ribeiro explica que o surgimento das águas vivas perto da costa ocorre em função de uma série de fatores naturais. Um deles são as correntes marinhas que transportam os orga…