Pular para o conteúdo principal

Envenenamento de animais continua e cerca de 150 já morreram em MG

Carnes envenenadas nas ruas e dentro das casas. Este é o cenário que assusta, há mais de um mês, moradores da cidade de Rio Paranaíba, na região do Alto Paranaíba. A Polícia Civil investiga o caso e estima que cerca de 150 cães e gatos já morreram envenenados no munícipio. A cidade tem pouco mais de 11 mil habitantes, e parte está empenhada em resolver o mistério e chegar aos autores, estes que a população já considera como verdadeiros “monstros”.  

O número, desde então, subiu consideravelmente. Até uma recompensa no valor de R$ 2 mil chegou a ser oferecida para quem encontrar o suspeito.

Segundo o investigador da Polícia Civil, Fabrício Martins Ribeiro Silva, a polícia está empenhada com a causa e desde o início dos envenenamentos vem fazendo rastreamentos, até mesmo no período da noite, em várias partes da cidade. Cerca de dez pessoas estão envolvidas na ação.

Ainda de acordo com Fabrício Martins, a polícia acredita que os envenenamentos são realizados por mais de uma pessoa e que deve haver um mandante por trás dos crimes. “Estamos fazendo análise de imagens das câmeras de segurança e esperamos chegar aos culpados o mais rápido possível. É preciso que a população ajude a polícia repassando qualquer informação que possa levar à conclusão dos fatos”, explicou.

Durante as investigações e após algumas denúncias foram expedidos alguns mandados de busca e apreensão, mas nos locais nada foi encontrado e ninguém foi preso.

Na última semana, o veneno utilizado pelos criminosos apresentou ser mais forte e poucos animais conseguiram escapar da morte após ingerí-lo. Pedaços de carnes envenenadas foram recolhidos e enviados para a perícia da Polícia Civil.

A Secretaria do Meio Ambiente também disse estar empenhada para resolver a situação. O secretário Jader Rocha afirmou que a Prefeitura está dando todo o apoio e contribuindo com as investigações da polícia. Ele também salientou que os servidores que trabalham com a limpeza e com a guarda noturna na cidade estão atentos em qualquer atitude suspeita.

Sobre o destino que é dado aos animais mortos, o secretário informou que o Município terceirizou um caminhão para recolhimento dos animais, que estão sendo enterrados numa 

Apesar do empenho dos órgãos, a situação para muitos já fugiu do controle. O zootecnista Miller Mendes contou com o G1 que desde que a onda de envenenamentos começou na cidade ele já atendeu, de forma voluntária, mais de 300 animais de estimação. Os gastos de Miller já ultrapassam R$ 700, mas o amor pelos bichos é o que o motiva a continuar e tentar salvar vidas. “Muitas vezes deixo o meu trabalho no Pet Shop e corro para ajudar os animais envenenados. Meu psicológico já está abalado com tanta covardia”, desabafou.

Segundo o zootecnista, os envenenamentos pararam por uns dias, mas essa semana voltou com força total. No início, Miller contou que o veneno utilizado pelos criminosos parecia ser o Temik, conhecido por chumbinho. Já nas últimas mortes, o zootecnista notou que a salivação dos animais estava mais branca e as convulsões mais frequentes. “Não é possível afirmar, mas parece que o veneno desta vez é mais forte e está cada dia mais difícil salvar os animais”.

O produto estava sendo colocado em carne moída, carne de porco, pão de queijo e até em bolachas recheadas, mas na última semana o veneno foi encontrado em carnes nobres. “Está vergonhosa essa situação. Não vemos mais tantos animais nas ruas. Se tiver 20 cachorros é muito. Se a situação continuar, em 30 dias não teremos mais animais nas ruas. Não sei mais o que pensar.”, ressaltou.

Em um dos atendimentos, o zootecnista conseguiu salvar uma cachorrinha de rua e este foi um dos fatos que marcou a vida do profissional. “Ela já estava quase morta. Tratei dela, levei-a para tomar soro e até fiz comida. Ela não mexia nem o olho e essa semana, por milagre, ela deu cria. Xena e os filhotinhos me fizeram sentir melhor diante da tristeza que nos tem envolvido. Acabei adotando-os”, relatou emocionado.

A polêmica já invadiu as redes sociais com direito a recompensa. Na página do grupo da Associação dos Defensores e Amigos do Meio Ambiente (ADAMA) está sendo realizada uma campanha para arrecadação de dinheiro.

Claudiane Carvalho faz parte do Conselho Deliberativo da ADAMA e, de acordo com ela, foram espalhados cartazes por toda a cidade com a recompensa de R$ 2 mil para quem denunciasse o autor ou os autores dos envenenamentos dos cães e gatos de Rio Paranaíba. “Esta é uma situação complicada. Mais de 20 pessoas já ajudaram com dinheiro. Arrecadamos até o momento R$ 1,1 mil, mas temos um doador que se comprometeu a completar o valor da recompensa a qualquer momento caso o assassino de animais seja denunciado”, contou.

Segundo Claudiane, a recompensa surgiu como objetivo de incentivar as pessoas a fazerem uma vigilância maior para que o mistério seja solucionado.

Fonte: G1. Leia mais.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Intoxicação por pó-de-mico

Continua um mistério a causa do surto que ocorreu no mês de março no município de Apuarema, interior da Bahia. A história teve início no dia 21/03, na Escola Municipal Aurino Nery, quando diversos alunos da oitava série manifestaram sinais de prurido na sala de aula causando uma pequena aglomeração naquele estabelecimento de ensino. Cerca de oito alunos manifestaram esses sinais na sala, saíram para o pavilhão e entraram em contato com turmas vizinhas  que acabaram manifestando os sintomas de prurido e urticária. O evento ocorreu se repetiu alguns dias depois. Ao todo foram mais de 40 crianças acometidas. Algumas apresentaram cefaléia. O colégio foi fechado temporariamente pela secretaria municipal de educação. As aulas foram retomadas no dia primeiro de abril sem indícios de um novo incidente. Suspeita-se que alguém tenha introduzido no local alguma substância. Pensou-se na possibilidade de ter sido “pó-de-mico”. O “pó-de-mico” consiste em tricomas (semelhante a pêlos) que recobrem as…

Ciave alerta para aumento do risco de acidente escorpiônico e fake news

Na Bahia, em 2018, ocorreram 24.714 casos de acidente por animais peçonhentos, de acordo com o Sistema de Informação de Agravos de Notificação – Sinan, com 188 ocorrências em Salvador. Entre eles, o acidente escorpiônico predominou com 18.985 (76,8%), dos quais 47 se deram na capital.
No ano passado, o Centro de Informações Antiveneno – Ciave registrou o atendimento de 2.425 casos de escorpionismo. Já nessa primeira quinzena de janeiro, o Centro registrou 127 casos, 10% a mais que o mesmo período em 2018, com uma média de 9 ocorrências por dia.
Segundo Jucelino Nery, diretor do Ciave e coordenador estadual do Programa de Controle de Acidentes por Animais Peçonhentos, os acidentes escorpiônicos tiveram em 2018 um aumento de 22%, em relação ao ano anterior. Além do clima, o crescimento desordenado das áreas urbanas, a falta de saneamento básico, o desmatamento e o acúmulo de lixo, entulhos e restos de material de construção fazem com que os escorpiões procurem abrigo e alimento (insetos…

Águas vivas começam a aparecer em maior quantidade em Itajaí

Quem aproveitou a manhã de quarta-feira para caminhar pela areia da Praia da Atalaia em Itajaí teve que desviar de águas vivas. Os organismos marinhos surgiram aos montes e deixaram a areia coberta. Apesar de causarem preocupação aos banhistas, as encontradas ali não provocam as populares queimaduras, que na verdade são um tipo de envenenamento. De acordo com o Corpo de Bombeiros a espécie presente na Atalaia é a racostoma atlanticun, que não queima. Isso, porém, não significa que os banhistas devem ter contato com o animal marinho. Isso porque é difícil identificar se uma água viva é nociva ou não. Coordenador de praia da corporação e oceanógrafo, o soldado Daniel Ribeiro explica que só especialistas conseguem identificar quais espécies causam queimaduras e que algumas se assemelham muito as racostoma, mas queimam. Ribeiro explica que o surgimento das águas vivas perto da costa ocorre em função de uma série de fatores naturais. Um deles são as correntes marinhas que transportam os orga…