Pular para o conteúdo principal

Pesquisa e Clínica na Prevenção Serão Tema do II Fórum Baiano Sobre Suicídio

Mostrar em que medida a clínica e a pesquisa podem caminhar juntas para sentido a prevenção do suicídio. Esse é um dos principais objetivos do II Fórum Baiano sobre Suicídio, que acontece no próximo dia 30, sexta-feira, das 8h30min às 18 horas, no Fiesta Bahia Hotel. Com o tema central "Suicídio: a pesquisa e a clínica na prevenção", o evento é uma iniciativa do Centro de Informações Antiveneno (Ciave), da Secretaria da Saúde do Estado (Sesab), através do Núcleo de Estudo e Prevenção do Suicídio (NEPS), e está aberto a profissionais e estudantes da área de saúde.

Dados da Organização Mundial de Saúde (OMS) indicam que cerca de um milhão de pessoas tentam suicídio anualmente no mundo. No Brasil, a média é de uma morte por dia. Estudos desenvolvidos pela OMS revelaram que os gastos com o suicídio representaram, em 2011, aproximadamente 1.8% do que foi gasto com as doenças no mundo. Para 2020, a projeção é para um crescimento significativo, atingindo 2.4% dos gastos.

Ainda de acordo com dados da OMS, em 2004 foram contabilizados mais de um milhão de suicídios no mundo, o que representa uma média de um suicídio a cada 35 segundos. Para cada suicídio consumado, estima-se de 15 a 25 tentativas. No Brasil, a taxa média de suicídio é de 6,6 suicídios por 100 mil/hab.

"Com a realização do II Fórum sobre Suicídio", explica a psicóloga Soraya Carvalho, idealizadora e coordenadora do NEPS, "pretendemos fornecer uma visão do trabalho que desenvolvemos no serviço, voltado para a especificidade de uma clínica da urgência, do limite, da morte, que nos convoca a questionamentos constantes sobre nossa ética, nossa prática, nossa técnica. As particularidades inerentes ao tratamento de sujeitos decididos a morrer, tem nos levado a buscar novas possibilidades e, consequentemente, a teorizar sobre um tema que ainda é um tabu, mesmo entre os profissionais da saúde".

O II Fórum Baiano sobre Suicídio terá a participação dos profissionais do NEPS/Ciave e de convidados de outros estados, que são considerados referência em suicídio no país, a exemplo do professor Neury Botega, da Unicamp, e Blanca Werlang, professora da PUC do Rio Grande do Sul.

Além de mesas redondas que tratarão da clínica do suicídio e da pesquisa, haverá uma mesa que discutirá um tema atual e relevante na comunidade, que é a criação de leitos psiquiátricos em hospital geral.

Entre as questões que serão abordadas estão: a clínica do suicídio, a prevenção do suicídio, a pesquisa na prevenção do suicídio e avaliação de risco e manejo do comportamento suicida. No encerramento do encontro, será lançada a 3ª edição do livro "Práticas Psiquiátricas em Hospital Geral", com a presença do autor, o professor Neury Botega.

A coordenadora do NEPS conta que o núcleo deu início a suas atividades em 1991, como um serviço de psicologia, com atuação na área da clínica, oferecendo acompanhamento psicoterápico a pacientes que haviam tentado o suicídio, e posteriormente, a pacientes com depressão grave e risco de suicídio. Desde o início, entretanto, essa clínica mantém uma articulação com a pesquisa, levando o Ciave a se tornar um lugar de interesse de pesquisadores.

Ao longo dos anos, foi observada uma taxa de reincidência de tentativa de suicídio muito baixa (menor que 2%) entre os pacientes que se eram submetidos a tratamento, mostrando a necessidade e a importância da ampliação do serviço, para atender, preventivamente, pacientes com depressão grave e risco de suicídio daí a implantação do NEPS, em 2007.

"O NEPS entende que a prevenção se dá em vários níveis, e por esta razão vem desenvolvendo ações que englobam o paciente, a família e a equipe de saúde", informa a psicóloga. No que diz respeito ao paciente, o núcleo oferece um ambulatório com acompanhamento psicoterápico, psiquiátrico e de terapia ocupacional para pacientes com depressão grave, que já tenham ou não tentado o suicídio, mas que correm o risco de fazê-lo.

No que se refere à família, o NEPS realiza, mensalmente, reuniões informativas sobre depressão e suicídio com os familiares dos pacientes acompanhados, visando não somente informá-los sobre a doença, como também acolhê-los e orientá-los sobre os equívocos gerados pela desinformação e as consequentes dificuldades envolvendo o convívio familiar.

No que tange à equipe de saúde o núcleo vem realizando diversos cursos de capacitação para profissionais de nível universitário e agentes comunitários de saúde, em todo o estado, com o objetivo de instrumentalizar esses profissionais a reconhecerem os sinais e sintomas da depressão e o risco de suicídio, possibilitando o diagnóstico precoce e o rápido encaminhamento a serviços especializados.

"Como meta para 2012, o NEPS/CIAVE realizará cursos de capacitação para profissionais da saúde mental lotados nos CAPS, hospitais psiquiátricos e centros de saúde mental de todo o estado da Bahia, com a finalidade de capacitar seus técnicos para o tratamento dos pacientes com depressão grave e riscos de suicídio", finaliza a coordenadora do NEPS.

Fonte: CIAVE. Leia mais.

Comentários

  1. eu fiz minha inscricao no forum baiano sobre suicidio e ate hoje dia 25 espero o email de confirmacao.
    como faço pra saber se minha inscricao foi efetivada
    tereza maria duarte falcon
    terezafalcon@hotmail.com

    ResponderExcluir
  2. Entre em contato com a equipe de Psicologia do CIAVE através do telefone 3387-4343.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Intoxicação por pó-de-mico

Continua um mistério a causa do surto que ocorreu no mês de março no município de Apuarema, interior da Bahia. A história teve início no dia 21/03, na Escola Municipal Aurino Nery, quando diversos alunos da oitava série manifestaram sinais de prurido na sala de aula causando uma pequena aglomeração naquele estabelecimento de ensino. Cerca de oito alunos manifestaram esses sinais na sala, saíram para o pavilhão e entraram em contato com turmas vizinhas  que acabaram manifestando os sintomas de prurido e urticária. O evento ocorreu se repetiu alguns dias depois. Ao todo foram mais de 40 crianças acometidas. Algumas apresentaram cefaléia. O colégio foi fechado temporariamente pela secretaria municipal de educação. As aulas foram retomadas no dia primeiro de abril sem indícios de um novo incidente. Suspeita-se que alguém tenha introduzido no local alguma substância. Pensou-se na possibilidade de ter sido “pó-de-mico”. O “pó-de-mico” consiste em tricomas (semelhante a pêlos) que recobrem as…

Ciave alerta para aumento do risco de acidente escorpiônico e fake news

Na Bahia, em 2018, ocorreram 24.714 casos de acidente por animais peçonhentos, de acordo com o Sistema de Informação de Agravos de Notificação – Sinan, com 188 ocorrências em Salvador. Entre eles, o acidente escorpiônico predominou com 18.985 (76,8%), dos quais 47 se deram na capital.
No ano passado, o Centro de Informações Antiveneno – Ciave registrou o atendimento de 2.425 casos de escorpionismo. Já nessa primeira quinzena de janeiro, o Centro registrou 127 casos, 10% a mais que o mesmo período em 2018, com uma média de 9 ocorrências por dia.
Segundo Jucelino Nery, diretor do Ciave e coordenador estadual do Programa de Controle de Acidentes por Animais Peçonhentos, os acidentes escorpiônicos tiveram em 2018 um aumento de 22%, em relação ao ano anterior. Além do clima, o crescimento desordenado das áreas urbanas, a falta de saneamento básico, o desmatamento e o acúmulo de lixo, entulhos e restos de material de construção fazem com que os escorpiões procurem abrigo e alimento (insetos…

Águas vivas começam a aparecer em maior quantidade em Itajaí

Quem aproveitou a manhã de quarta-feira para caminhar pela areia da Praia da Atalaia em Itajaí teve que desviar de águas vivas. Os organismos marinhos surgiram aos montes e deixaram a areia coberta. Apesar de causarem preocupação aos banhistas, as encontradas ali não provocam as populares queimaduras, que na verdade são um tipo de envenenamento. De acordo com o Corpo de Bombeiros a espécie presente na Atalaia é a racostoma atlanticun, que não queima. Isso, porém, não significa que os banhistas devem ter contato com o animal marinho. Isso porque é difícil identificar se uma água viva é nociva ou não. Coordenador de praia da corporação e oceanógrafo, o soldado Daniel Ribeiro explica que só especialistas conseguem identificar quais espécies causam queimaduras e que algumas se assemelham muito as racostoma, mas queimam. Ribeiro explica que o surgimento das águas vivas perto da costa ocorre em função de uma série de fatores naturais. Um deles são as correntes marinhas que transportam os orga…