Pular para o conteúdo principal

Mais de 100 áreas contaminadas por resíduos industriais no Estado do Rio



Matéria divulgada pelo Jornal Bom Dia Brasil, da rede Globo, mostrou no dia 30/04 uma situação preocupante: 141 áreas do estado do Rio de Janeiro estão contaminadas por resíduos industriais que podem causar sérios danos à saúde, levando a risco constante os moradores que ali residem.

Segundo dados do mapeamento que está sendo feito pelo Instituto Estadual do Ambiente (Inea), existem atualmente cento e quarenta e uma áreas comprovadamente contaminadas por substâncias tóxicas ou cancerígenas no estado do Rio.

Segundo a Secretaria Estadual do Ambiente, há no mínimo mais de 600 outras áreas com fortes indícios de contaminação. São antigas instalações industriais que manipulavam resíduos perigosos de forma inadequada.

Um dos casos confirmados é o da Cidade dos Meninos, em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense, onde uma antiga fábrica de pesticidas abandonada pelo Ministério da Saúde (MS) em 1955 virou foco de contaminação. Quarenta toneladas da substância HCH (hexacloro-ciclohexano), um pesticida organoclorado conhecido popularmente como BHC ou pó-de-broca, foram deixadas para trás sem nenhuma proteção. O produto ficou no local e acabou usada pela população na agricultura e para pavimentar ruas. Os organoclorados já estão proibidos no país há mais de 20 anos.

Em 2002, constatou-se a presença de substâncias tóxicas no sangue e no leite materno dos moradores, e a necessidade urgente da remoção das famílias para que a descontaminação do solo e das águas pudesse ser feita. Depois de 11 anos o problema persiste.

O prefeito de Duque de Caxias negocia a transferência da área da União para o município e promete remover as 700 famílias cadastradas, demolir as casas e descontaminar o terreno até o final do seu mandato.

Outra área contaminada ainda sem solução é um terreno de dez mil metros quadrados em Volta Redonda. Segundo a Secretaria do Ambiente, as 750 pessoas que moram nele devem ser removidas imediatamente do local, um ex-lixão da Companhia Siderúrgica Nacional (CSN). A companhia nega a contaminação dos moradores, mas laudos técnicos da Secretaria confirmam a presença de substâncias tóxicas ou cancerígenas em níveis intoleráveis para a saúde humana. A CSN foi multada em R$ 35 milhões, mas não pagou até hoje e nenhum morador foi retirado do local.

A lista das principais áreas atingidas por resíduos industriais engloba também mais duas regiões menos conhecidas: um antigo centro de tratamento de resíduos, em Queimados, e uma fábrica de lâmpadas desativadas em um bairro na Zona Norte do Rio.

Se nessas áreas a situação ainda é crítica, para os moradores que vivem nas margens da Baía de Sepetiba, o clima é de alívio. Uma das maiores áreas contaminadas do Brasil inspirou um projeto inédito de recuperação do solo e das águas. Próximo das águas da Baía, três milhões de toneladas de metais pesados ameaçavam a saúde dos moradores, da fauna e da flora da região. Onde anos atrás havia uma montanha de substâncias cancerígenas e lagoas de águas tóxicas, hoje há uma área descontaminada.

Segundo o gerente geral de portos da Usiminas, Carlos Henrique Neves, o solo contaminado foi coberto com uma película de PVC e em cima dessa película foi colocado um solo inerte. A companhia pagou pela descontaminação do terreno o valor de R$ 185 milhões, para poder usá-lo como porto. Mas, a maioria das áreas contaminadas no Brasil não desperta o interesse das grandes indústrias.

Quanto ao cadastro de áreas contaminadas do Rio de Janeiro, o Instituto Estadual do Ambiente afirmou que vai divulgar a versão preliminar até o dia 30 de junho na internet. O Instituto pretende concluir o cadastro até junho do ano que vem.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Intoxicação por pó-de-mico

Continua um mistério a causa do surto que ocorreu no mês de março no município de Apuarema, interior da Bahia. A história teve início no dia 21/03, na Escola Municipal Aurino Nery, quando diversos alunos da oitava série manifestaram sinais de prurido na sala de aula causando uma pequena aglomeração naquele estabelecimento de ensino. Cerca de oito alunos manifestaram esses sinais na sala, saíram para o pavilhão e entraram em contato com turmas vizinhas  que acabaram manifestando os sintomas de prurido e urticária. O evento ocorreu se repetiu alguns dias depois. Ao todo foram mais de 40 crianças acometidas. Algumas apresentaram cefaléia. O colégio foi fechado temporariamente pela secretaria municipal de educação. As aulas foram retomadas no dia primeiro de abril sem indícios de um novo incidente. Suspeita-se que alguém tenha introduzido no local alguma substância. Pensou-se na possibilidade de ter sido “pó-de-mico”. O “pó-de-mico” consiste em tricomas (semelhante a pêlos) que recobrem as…

Ciave alerta para aumento do risco de acidente escorpiônico e fake news

Na Bahia, em 2018, ocorreram 24.714 casos de acidente por animais peçonhentos, de acordo com o Sistema de Informação de Agravos de Notificação – Sinan, com 188 ocorrências em Salvador. Entre eles, o acidente escorpiônico predominou com 18.985 (76,8%), dos quais 47 se deram na capital.
No ano passado, o Centro de Informações Antiveneno – Ciave registrou o atendimento de 2.425 casos de escorpionismo. Já nessa primeira quinzena de janeiro, o Centro registrou 127 casos, 10% a mais que o mesmo período em 2018, com uma média de 9 ocorrências por dia.
Segundo Jucelino Nery, diretor do Ciave e coordenador estadual do Programa de Controle de Acidentes por Animais Peçonhentos, os acidentes escorpiônicos tiveram em 2018 um aumento de 22%, em relação ao ano anterior. Além do clima, o crescimento desordenado das áreas urbanas, a falta de saneamento básico, o desmatamento e o acúmulo de lixo, entulhos e restos de material de construção fazem com que os escorpiões procurem abrigo e alimento (insetos…

Águas vivas começam a aparecer em maior quantidade em Itajaí

Quem aproveitou a manhã de quarta-feira para caminhar pela areia da Praia da Atalaia em Itajaí teve que desviar de águas vivas. Os organismos marinhos surgiram aos montes e deixaram a areia coberta. Apesar de causarem preocupação aos banhistas, as encontradas ali não provocam as populares queimaduras, que na verdade são um tipo de envenenamento. De acordo com o Corpo de Bombeiros a espécie presente na Atalaia é a racostoma atlanticun, que não queima. Isso, porém, não significa que os banhistas devem ter contato com o animal marinho. Isso porque é difícil identificar se uma água viva é nociva ou não. Coordenador de praia da corporação e oceanógrafo, o soldado Daniel Ribeiro explica que só especialistas conseguem identificar quais espécies causam queimaduras e que algumas se assemelham muito as racostoma, mas queimam. Ribeiro explica que o surgimento das águas vivas perto da costa ocorre em função de uma série de fatores naturais. Um deles são as correntes marinhas que transportam os orga…