Pular para o conteúdo principal

População revoltada com envenenamento de cães em Biguaçu (SC)


Moradores do bairro Jardim Janaína, em Biguaçu-SC, estão há um ano sofrendo com a matança de animais e, até o momento, ainda não viram o autor ser penalizado. Nos últimos 12 meses, cinco cães de uma mesma família morreram envenenados. “Sempre que vejo o veneno ser jogado chamo a polícia, mas eles nunca vêm. Já fizemos boletim de ocorrência e estamos aguardando que alguma coisa seja feita”, reclamou a dona dos cães mortos, Tuca Viana.
Mesmo tendo a comercialização proibida, o raticida conhecido como “chumbinho” é usado para rechear bolinhos de carne e linguiça que são jogados todas as noites nas ruas do bairro. Segundo moradores, para evitar que os cães comam, os proprietários saem durante as madrugadas para retirar as iscas. “Isso acontece por volta da meia noite. Não consigo mais dormir e não deixo mais meus animais dormir na rua, pois tenho medo que eles possam comer”, disse Tuca, enquanto acariciava um de seus bichinhos que conseguiu escapar de três envenenamentos.
O delegado de plantão na Polícia Civil de Biguaçu, Alan Amorim, não soube informar o número de registros na unidade relacionados aos envenenamentos. Em entrevista à RICTV, a delegada Ana Claúdia Pires revelou que nos últimos doze meses 227 boletins de ocorrência denunciando maus tratos à animais foram feitos na Grande Florianópolis. “A denúncia acompanhada de registros do crime é de imenso valor. As pessoas devem filmar, fotografar e ter testemunhas”, ressaltou a delegada.
Município prepara denúncia ao MP
Mesmo sem um centro de zoonoses, o município de Biguaçu atende casos como o dos cães do bairro Jardim Janaína. Segundo Gilnei Gomes Garcez, médico veterinário e responsável técnico, o Castramóvel realizou mais de 650 cirurgias em animais da cidade desde janeiro de 2012. “Queremos levar para o Ministério Público, para isso trabalhamos para conscientizar a população da importância das denúncias, sempre ressaltando que precisamos de provas, como fotos”, ressaltou Garcez.
Salientando que o cão que sobreviveu a três envenenamentos não faz parte do cadastro da vigilância epidemiológica, o médico veterinário afirmou que o município tem uma pequena cota com uma clínica veterinária para casos em que o proprietário não tem condições de arcar com as despesas.
Fonte: Notícias do Dia. Leia mais.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Intoxicação por pó-de-mico

Continua um mistério a causa do surto que ocorreu no mês de março no município de Apuarema, interior da Bahia. A história teve início no dia 21/03, na Escola Municipal Aurino Nery, quando diversos alunos da oitava série manifestaram sinais de prurido na sala de aula causando uma pequena aglomeração naquele estabelecimento de ensino. Cerca de oito alunos manifestaram esses sinais na sala, saíram para o pavilhão e entraram em contato com turmas vizinhas  que acabaram manifestando os sintomas de prurido e urticária. O evento ocorreu se repetiu alguns dias depois. Ao todo foram mais de 40 crianças acometidas. Algumas apresentaram cefaléia. O colégio foi fechado temporariamente pela secretaria municipal de educação. As aulas foram retomadas no dia primeiro de abril sem indícios de um novo incidente. Suspeita-se que alguém tenha introduzido no local alguma substância. Pensou-se na possibilidade de ter sido “pó-de-mico”. O “pó-de-mico” consiste em tricomas (semelhante a pêlos) que recobrem as…

Ciave alerta para aumento do risco de acidente escorpiônico e fake news

Na Bahia, em 2018, ocorreram 24.714 casos de acidente por animais peçonhentos, de acordo com o Sistema de Informação de Agravos de Notificação – Sinan, com 188 ocorrências em Salvador. Entre eles, o acidente escorpiônico predominou com 18.985 (76,8%), dos quais 47 se deram na capital.
No ano passado, o Centro de Informações Antiveneno – Ciave registrou o atendimento de 2.425 casos de escorpionismo. Já nessa primeira quinzena de janeiro, o Centro registrou 127 casos, 10% a mais que o mesmo período em 2018, com uma média de 9 ocorrências por dia.
Segundo Jucelino Nery, diretor do Ciave e coordenador estadual do Programa de Controle de Acidentes por Animais Peçonhentos, os acidentes escorpiônicos tiveram em 2018 um aumento de 22%, em relação ao ano anterior. Além do clima, o crescimento desordenado das áreas urbanas, a falta de saneamento básico, o desmatamento e o acúmulo de lixo, entulhos e restos de material de construção fazem com que os escorpiões procurem abrigo e alimento (insetos…

Águas vivas começam a aparecer em maior quantidade em Itajaí

Quem aproveitou a manhã de quarta-feira para caminhar pela areia da Praia da Atalaia em Itajaí teve que desviar de águas vivas. Os organismos marinhos surgiram aos montes e deixaram a areia coberta. Apesar de causarem preocupação aos banhistas, as encontradas ali não provocam as populares queimaduras, que na verdade são um tipo de envenenamento. De acordo com o Corpo de Bombeiros a espécie presente na Atalaia é a racostoma atlanticun, que não queima. Isso, porém, não significa que os banhistas devem ter contato com o animal marinho. Isso porque é difícil identificar se uma água viva é nociva ou não. Coordenador de praia da corporação e oceanógrafo, o soldado Daniel Ribeiro explica que só especialistas conseguem identificar quais espécies causam queimaduras e que algumas se assemelham muito as racostoma, mas queimam. Ribeiro explica que o surgimento das águas vivas perto da costa ocorre em função de uma série de fatores naturais. Um deles são as correntes marinhas que transportam os orga…