Pular para o conteúdo principal

Os Riscos do Cigarro Eletrônico

Os cigarros eletrônicos ou e-cigarettes, como são conhecidos nos Estados Unidos, estão amplamente disponíveis através da internet e em lojas de varejo. Geralmente fabricados para se assemelhar aos tradicionais cigarros de tabaco, os cigarros eletrônicos contêm um cartucho cheio de um líquido com sabor.

Quando o usuário inala esse líquido - que pode conter nicotina - suas partículas são vaporizadas por um elemento de aquecimento, o que proporciona uma dose de nicotina com potencial variável.

Embora comercializado como uma alternativa "segura" ou uma ajuda para parar de fumar o tabaco, o cigarro eletrônico não foi testado para verificar qualquer uma dessas alegações. O precedente jurídico atual sustenta que estes produtos não são dispositivos de distribuição de droga, impedindo a FDA (Food and Drug Administration) de regulamentar seu uso.

Os autores argumentam que os cigarros eletrônicos representam, pelo menos, dois grandes riscos à saúde pública: 1) Eles podem introduzir crianças e outros não-fumantes à nicotina e ao uso ritual de fumar. Mais preocupante ainda, é a disponibilidade de vários sabores - como o Apple (sabor artificial de maçã) - que pode agradar aos consumidores mais jovens; 2) O risco de toxicidade destes produtos não tem sido bem investigado. Um grande perigo são seus recipientes de solução, que muitas vezes vêm em frascos de 30 ml e podem conter 18 mg / mL de nicotina, ou mais. Em outras palavras, um frasco de 30 ml pode conter, pelo menos, 540 mg de nicotina. Uma vez que a dose letal mínima para crianças é estimada em 1 mg / kg, essa comercialização é bastante alarmante.

Em abril passado, a TPR (Total Physical Response) realizou estudo sobre os riscos de toxicidade criados pelas novas "pellets doces Tic-Tac", que continham nicotina. Estes novos cigarros eletrônicos recarregáveis parecem apenas amplificar esse risco.

Devido a este perigo, todos os profissionais de emergência e toxicologia devem estar familiarizados com os efeitos da nicotina:

- Gastrointestinais: náuseas, vômitos, salivação, diarreia
- Cardiovascular: hipertensão arterial, taquicardia, arritmia cardíaca
- Sistema Nervoso Central: letargia, confusão, convulsões, coma
- Sistema Nervoso Periférico: sudorese, fraqueza, tremores, fasciculação, paralisia
- Endócrinos: aumento da liberação de catecolaminas

Fonte: Intertox. Leia mais.

Comentários

  1. E o cigarro convencional... pelo que sei o eletrônico só possui propilenoglicol e/ou glicerina vegeta e a nicotina. Por que o convencional não é proibido, já que possui mais de 4700 elementos tóxicos, além do monóxido de carbono e eleva a temperatura do pulmão a mais de 60 graus

    é muito estranho se falar isso. É mais ou menos como se proibir a melatonina e a vitamina b12, ou seja, uma questão de interesses econômicos.

    Vocês que escreveram o texto acima são a representação religiosa (nao sou religioso) do demônio, e estão bem descritos no site www.anovaordemmundial.com

    Sem abraços, e vão para o inferno, HIPÓCRITAS

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Intoxicação por pó-de-mico

Continua um mistério a causa do surto que ocorreu no mês de março no município de Apuarema, interior da Bahia. A história teve início no dia 21/03, na Escola Municipal Aurino Nery, quando diversos alunos da oitava série manifestaram sinais de prurido na sala de aula causando uma pequena aglomeração naquele estabelecimento de ensino. Cerca de oito alunos manifestaram esses sinais na sala, saíram para o pavilhão e entraram em contato com turmas vizinhas  que acabaram manifestando os sintomas de prurido e urticária. O evento ocorreu se repetiu alguns dias depois. Ao todo foram mais de 40 crianças acometidas. Algumas apresentaram cefaléia. O colégio foi fechado temporariamente pela secretaria municipal de educação. As aulas foram retomadas no dia primeiro de abril sem indícios de um novo incidente. Suspeita-se que alguém tenha introduzido no local alguma substância. Pensou-se na possibilidade de ter sido “pó-de-mico”. O “pó-de-mico” consiste em tricomas (semelhante a pêlos) que recobrem as…

Ciave alerta para aumento do risco de acidente escorpiônico e fake news

Na Bahia, em 2018, ocorreram 24.714 casos de acidente por animais peçonhentos, de acordo com o Sistema de Informação de Agravos de Notificação – Sinan, com 188 ocorrências em Salvador. Entre eles, o acidente escorpiônico predominou com 18.985 (76,8%), dos quais 47 se deram na capital.
No ano passado, o Centro de Informações Antiveneno – Ciave registrou o atendimento de 2.425 casos de escorpionismo. Já nessa primeira quinzena de janeiro, o Centro registrou 127 casos, 10% a mais que o mesmo período em 2018, com uma média de 9 ocorrências por dia.
Segundo Jucelino Nery, diretor do Ciave e coordenador estadual do Programa de Controle de Acidentes por Animais Peçonhentos, os acidentes escorpiônicos tiveram em 2018 um aumento de 22%, em relação ao ano anterior. Além do clima, o crescimento desordenado das áreas urbanas, a falta de saneamento básico, o desmatamento e o acúmulo de lixo, entulhos e restos de material de construção fazem com que os escorpiões procurem abrigo e alimento (insetos…

Águas vivas começam a aparecer em maior quantidade em Itajaí

Quem aproveitou a manhã de quarta-feira para caminhar pela areia da Praia da Atalaia em Itajaí teve que desviar de águas vivas. Os organismos marinhos surgiram aos montes e deixaram a areia coberta. Apesar de causarem preocupação aos banhistas, as encontradas ali não provocam as populares queimaduras, que na verdade são um tipo de envenenamento. De acordo com o Corpo de Bombeiros a espécie presente na Atalaia é a racostoma atlanticun, que não queima. Isso, porém, não significa que os banhistas devem ter contato com o animal marinho. Isso porque é difícil identificar se uma água viva é nociva ou não. Coordenador de praia da corporação e oceanógrafo, o soldado Daniel Ribeiro explica que só especialistas conseguem identificar quais espécies causam queimaduras e que algumas se assemelham muito as racostoma, mas queimam. Ribeiro explica que o surgimento das águas vivas perto da costa ocorre em função de uma série de fatores naturais. Um deles são as correntes marinhas que transportam os orga…